Política

Puccinelli admite que PMDB definiu candidatura de Giroto na casa de empreiteiro

Ex-governador entregou endereço de reunião secreta ocorrida em 2012

Midiamax Publicado em 23/02/2015, às 15h09

None

Ex-governador entregou endereço de reunião secreta ocorrida em 2012

O ex-governador André Puccinelli (PMDB) entregou local de reunião secreta ocorrida em 2012 para escolha do candidato do partido a prefeito de Campo Grande. Segundo Puccinelli, o candidato do partido foi escolhido na casa do empreiteiro João Amorim.

Puccinelli entregou o local da reunião ao ser indagado pela reportagem se ele tem candidato preferido na eleição deste ano. O ex-governador rapidamente negou que Edson Giroto (então PMDB) era o predileto dele e esclareceu que a escolha aconteceu após reunião na casa do irmão da deputado Antonieta Amorin (PMDB), que estava perto dele durante a entrevista.

Segundo Puccinelli, durante reunião na casa de Amorin, foram apresentadas pesquisas que indicaram Giroto em primeiro lugar na preferência do eleitor, seguido pelo deputado federal Luiz Henrique Mandetta (DEM) e do vereador Paulo Siufi (PMDB), que ficou em terceiro lugar.

A reportagem achou curioso o fato da reunião ser realizada na casa do irmão da deputada e perguntou para ela se tratava-se do empreiteiro João Amorin e ela limitou-se a dizer que é o único irmão que ela tem.

João Amorim tem vários contratos com a Prefeitura de Campo Grande desde a gestão de André Puccinelli na prefeitura, passando por Nelsinho Trad (PMDB), que era cunhado dele quando era casado com Antonieta. Hoje o empreiteiro continua com vários contratos com a prefeitura.

Vários Contratos

Recentemente o Midiamax divulgou que empresas ligadas ao empreiteiro João Amorim e seu genro, Luciano Dolzan,tiveram contratos com a Prefeitura de Campo Grande prorrogados, retroativamente, e continuam ‘dominando’ serviços como a manutenção de vias públicas.

Kátia Castilho, que recentemente entregou o cargo de secretária municipal de obras, admite que chegou a assinar contrato que, segundo ela, teria sido suspenso, mas não informa quando e em que data teria sido publicado no diário oficial. De seis contratos, quatro venceram em 30/7/2014. A ex-secretária diz que atendeu determinação do prefeito Gilmar Olarte (PP).

As prorrogações foram todas efetivadas após o ex-secretário Semy Ferraz pedir exoneração sem maiores explicações. À época, Semy disse apenas que deixava o cargo por motivos particulares. Castilho, que assumiu no lugar de Ferraz, também não quis permanecer na secretaria municipal que lida com as empreiteiras.

Ela pediu para Olarte arrumar outro secretário e continuou na Seintrha (Secretaria Municipal de Infraestrutura, Transporte e Habitação), mas como subsecretária. Kátia, no entanto, não confirma os rumores de que teria deixado o cargo porque tem perfil técnico e não estaria lidando bem com a “pressão dos empreiteiros”. “Eu estive ali apenas provisoriamente, como interina mesmo”, explica, sem comentar os “rumores”.

Com relação aos contratos que foram prorrogados, a atual subsecretária confirma a manobra burocrática que deu mais tempo para as empreiteiras prestarem à Prefeitura da Capital um dos serviços mais visados no setor de obras. Ela garante, no entanto, que tudo foi feito “no limite legal”.

“Os tapa-buracos, por exemplo, são visados porque é muito difícil fazer a mensuração do que realmente foi realizado”, explica um engenheiro ligado à empreiteira que há 16 anos tenta ‘furar’ o bloqueio das empreiteiras que tradicionalmente ganham as licitações.

Apesar de dizer que não tem provas para falar em eventual favorecimento, o engenheiro civil diz que os indícios de suposto oligopólio nos contratos da Prefeitura de Campo Grande são fortes. “Se você pegar desde que o Puccinelli chegou na Prefeitura com o Giroto, passando pelo Nelsinho, pelo Bernal e agora pelo Olarte, os nomes não mudam muito. Tem muita coincidência aí nesse meio, e muita gente que enriqueceu”, comenta.

Entre as empreiteiras que ganharam a prorrogação retroativa, em quatro dos seis contratos, durante o curto período de Kátia Castilho como secretária, estão a Proteco Construções Ltda., que pertence ao empreiteiro João Amorim, a LD Construções Ltda., propriedade de Luciano Dolzan, genro de João Amorim, e a DMP, Construções, cujo titular seria Lucas Morbi de Miguel, cunhado do irmão de Amorim.

Só na edição do dia 17 de outubro, o Diário Oficial de Campo Grande (Diogrande) publicou a prorrogação por um ano de pelo menos cinco desses contratos. Todos os termos aditivos têm data de 28 de agosto de 2014: O sétimo termo aditivo do contrato nº 82, de 26/4/2010, com a DMP Construções, prorroga sua vigência até 21/8/2015. O segundo termo aditivo do contrato nº 54, de 5/3/2012, com a Proteco Construções, faz a prorrogação até 31/7/2015. Os contratos de nº 63, 64 e 65, todos com a LD Construções e datados de 5/3/2012, receberam o primeiro termo aditivo cada um, prorrogando as respectivas vigências até 31/7/2015.

Jornal Midiamax