Política

PMDB deve substituir irmã de João Amorim em investigação do Aquário

Deputada é irmã de empreiteiro que assumiu obra sem licitação

Midiamax Publicado em 09/06/2015, às 19h55

None
antonieta.jpg

Deputada é irmã de empreiteiro que assumiu obra sem licitação

A deputada Antonieta Amorim (PMDB) que foi indicada pelo partido ainda está incerta na composição da comissão que vai investigar as obras no Aquário do Pantanal. Antonieta que é irmão do empreiteiro responsável pela obra, João Amorim, pode ter o lugar ocupado pelo seu colega de bancada Marquinhos Trad, que mostrou interesse em compor a comissão e com isso os membros ainda devem definir quem vai representar o PMDB.

A empresa Proteco, de propriedade do empresário João Amorim está tocando o projeto do Aquário do Pantanal há pelo menos dois anos e Antonieta pode ficar de fora da comissão caso a bancada do partido decida que a melhor opção é o deputado Marquinhos Trad, seu ex-cunhado. 

Apenas dois deputados estão certos de que vão compor a comissão que vai investigar as obras do Aquário do Pantanal pela Assembleia Legislativa (AL). Das cinco vagas, Amarildo Cruz (PT) ocupada uma e Lídio Lopes (PEN), proponente da comissão, ocupada outra.

“O Marquinhos veio falar comigo que queria participar e há duas semanas ele foi indicado para a comissão de reforma do regimento na assembleia, vou reunir o partido para decidir isso”, afirmou o deputado e líder do PMDB na AL, Eduardo Rocha.

Segundo o líder do partido a decisão deve ser tomada pelos membros da bancada, mas a indicação dele é para que Antonieta seja titular do PMDB na comissão e o deputado Renato Câmara o suplente. “Eu entendo que a Antonieta deveria ser titular, eu mesmo indiquei o Marquinhos para a comissão que vai fazer a reforma do regimento da Casa. Eu não tenho problema com nenhum dos dois”.

A disputa entre os ex-cunhados por uma cadeira na comissão deve ser acirrada, uma vez que a comissão deve investigar a obra e a deputada é irmã do empreiteiro responsável. Quando o Jornal Midiamax divulgou que a Proteco era responsável pela obra o ex-secretário de obras do governo, Edson Giroto, informou que a Proteco estava como subempreitada e que o contrato era legal.

Depois de uma auditoria feita no Aquário o atual governo não apontou se a subcontratação da Proteco foi um ato de má fé ou dolo por parte do ex-governo. Com custo inicial de R$ 84.749.754,23, o aquário contabiliza inúmeras suplementações que já fazem o preço passar da casa dos R$ 220 milhões, em cálculos não oficiais.

Ainda sobre a composição da comissão, o deputado Onevan de Mattos, líder do PSDB, disse que vai se reunir com a bancada e nesta quarta-feira (10) deve anunciar o representante dos tucanos. Outro nome que ainda está incerto para compor a comissão é dos partidos com menor representatividade, que compõe o bloco formado pelo do PDT, com três deputados, PR e PTdoB, com dois cada, e os parlamentares do PEN, DEM e PSB.

De acordo com Lídio Lopes, os deputados vão se reunir nesta quarta-feira e até quinta-feira (11) deve ser formada a comissão, que ainda não está instituída oficialmente.

Jornal Midiamax