Política

Lava-Jato: Depoimento de Delcídio à PF durou quase 4 horas

Prestou depoimento à Polícia Federal em Brasília

Diego Alves Publicado em 26/11/2015, às 23h39

None
205548_ext_arquivo.jpg

Prestou depoimento à Polícia Federal em Brasília

Durante quase quatro horas o senador Delcídio Amaral (PT-MS) prestou nesta quinta-feira  (26), depoimento à Polícia Federal (PF) em Brasília, acompanhado por dois advogados. Preso na quarta-feira pela Operação Lava-Jato, Delcídio deve permanecer na superintendência da PF até que outra decisão seja tomada, como uma eventual remoção para o presídio da Papuda.

Preso na quarta-feira pela Operação Lava-Jato, Delcídio deve permanecer na superintendência da PF até que outra decisão seja tomada, como uma eventual remoção para o presídio da Papuda. Durante depoimento, Delcídio disse que é inocente e não tentou atrapalhar a delação do ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró.

A transferência do senador só pode ser determinada pelo ministro Teori Zavascki, relator da Lava-Jato no Supremo Tribunal Federal, a pedido da defesa, Senado ou pela própria PF.

 A prisão foi autorizada pelo Supremo Tribunal Federal com alegação de que ele tentava conturbar as investigações da Operação Lava Jato.

Delcídio havia sido citado por Cerveró, por suposta participação em esquema de desvio de recurso para compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos.

Consta que o senador teria até mesmo oferecido possibilidade de fuga a Cerveró em troca de ele não aderir ao acordo de colaboração com a Justiça, revelando as irregularidades da operação. A conversa foi gravada por um filho de Cerveró.

Nesta quarta-feira (25), após quase cinco horas de sessão extraordinária, os senadores decidiram manter Delcídio do Amaral (PT) preso por 59 a 13 votos e uma abstenção. A Mesa Diretora opinou pelo voto secreto, mas acabou vencida pela maioria por 52 votos a 20.

Jornal Midiamax