Política

CPI: custo da folha de pagamento da Agetran aumentou 30% em um ano

Custo subiu de R$ 13 milhões para R$ 17 milhões

Jessica Benitez Publicado em 15/07/2015, às 18h03

None
img-20150715-wa0083.jpg

Custo subiu de R$ 13 milhões para R$ 17 milhões

A folha de pagamentos dos servidores da Agetran (Agência Municipal de Trânsito) cresceu 30% entre 2013 e 2014, enquanto em 2015 mantém-se no mesmo patamar. Isso levando-se em conta números apresentados pela chefe do órgão, Beth Felix, à CPI das Contas Públicas, na tarde desta quarta-feira (15).

Inquirida pela comissão, a diretora-presidente da Agetran antecipou que já enviou aos vereadores toda documentação solicitada, que abrange exercícios de janeiro de 2011 a junho de 2015. Antes de falar aos vereadores, ela disse que a folha de pagamento anual da agência chega a R$ 10 milhões, sendo que por mês são gastos entre R$ 1 milhão e R$ 1,3 milhão.

No entanto, os números apresentados por ela durante a sessão da CPI revelam que, em 2013, o gasto com pessoal foi de pouco mais de R$ 13 milhões. Já em 2014, o valor foi elevado em 30%, para R$ 17 milhões, e, este ano, está em R$ 8,5 milhões, ou seja, mantendo-se no patamar do exercício anterior. 

Até o fechamento deste texto, os vereadores ainda estavam no início da sabatina, prevista para durar a tarde toda. No próximo dia 5, é a vez do responsável pela Semadur (Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano), Valdir Gomes, ser ouvido. A oitiva estava marcada para a última segunda-feira (13), mas foi transferida, pois o titular da pasta assumiu recentemente a secretaria e precisa se inteirar para fazer o levantamento de dados solicitados pela Comissão.

A Comissão tem como objetivo investigar se o aumento de 40,34% na folha de pessoal da Prefeitura ocorreu por aumentos salariais praticados pelas gestões anteriores ou devido à nomeação de comissionados por parte do atual prefeito Gilmar Olarte. Já passaram por oitiva os secretários de saúde Jamal Salem, Administração e interino de Educação, Wilson do Prado, o diretor-presidente da Funsat, Cícero Ávila, o diretor-presidente da Funesp, José Eduardo Amâncio da Mota, o Madrugada e a titular da Secretaria de Assistência Social, Janete Belini D’Oliveira. Até agora nenhum integrante das gestões passadas foi chamado.

Jornal Midiamax