Política

Azambuja admite corte de secretarias caso deficit seja maior do que o previsto

Deficit de 2016 já esta em R$ 650 milhões

Kemila Pellin Publicado em 02/10/2015, às 22h29

None
12084226_10204010178688857_388560631_n.jpg

Deficit de 2016 já esta em R$ 650 milhões

O governador do Estado, Reinaldo Azambuja (PSDB) admitiu que se o deficit de 2016 for maior do que os R$ 650 milhões já projetados, será necessário “diminuir as estruturas”, ou seja, um novo corte nas secretarias do Estado. “Nós já fizemos isso no início e meio do ano, e se realmente perceber que no ano que vem a economia brasileira vai ter uma retração maior do que a prevista, e que não tem espaço fiscal para arrecadação e para cumprir os compromissos, nós vamos fazer de novo. Isso está sendo pesando”, admitiu.

Porém, segundo Azambuja, algumas alternativas estão sendo estudas antes dos cortes, como renegociação da dívida com a União, e a questão Previdenciária. “A questão da dívida é fundamental e esta sendo buscado, junto aos organismos estaduais, uma melhor composição daquilo que é a divida, como juros mais baratos, alinhamento e condição de pagamento”.

Quanto a sprevidência, o governador afirmou que está cobrindo com dinheiro do tesouro, e que deve ser feita uma reforma previdenciária, que garanta a segurança do inativo receber,  assim como a segurança do Estado de ter recursos e pagar, buscando o equilibrio previdenciário

O ‘pacotão fiscal’ deve gerar R$ 175 milhões aos cofres em 2016, porém o deficit previsto é de R$ 650 milhões. O tucano lembrou ainda que no ano que vêm tem o aumento salarial dos servidores, e que a União diminui cada vez mais os repasses. “Então oneramos um pouquinho do IPVA, tem a questão dos ITCs em discussão. Vamos conseguir R$ 175 milhões, mas a previsão do deficit é de R$ 650, então governo vai buscar o restante economizando, diminuindo a estrutura do Estado e melhorando arrecadação daquilo que já existe”, conclui.

Jornal Midiamax