Política

Simone aposta na candidatura do PT, PMDB e PSDB ao Governo do Estado

A governadora em exercício, Simone Tebet (PMDB), não acredita em polarização entre PT e PMDB na disputa pelo Governo do Estado em 2014. Simone aposta nas candidaturas do PMDB, PT e do PSDB, que na avaliação dela, deve lançar candidato para fortalecer a eventual candidatura de Aécio Neves (PSDB) à presidência da República. O cenário […]

Arquivo Publicado em 22/01/2013, às 18h10

None
367215228.jpg

A governadora em exercício, Simone Tebet (PMDB), não acredita em polarização entre PT e PMDB na disputa pelo Governo do Estado em 2014. Simone aposta nas candidaturas do PMDB, PT e do PSDB, que na avaliação dela, deve lançar candidato para fortalecer a eventual candidatura de Aécio Neves (PSDB) à presidência da República.

O cenário indicado por Simone, onde o PSDB terá que fortalecer Aécio, sugere que o PMDB em Mato Grosso do Sul apoiará Dilma Rousseff (PT) em 2014,  mas a governadora prefere se abster, justificando que não responde pelo PMDB.

Antes de sair de férias, o governador André Puccinelli (PMDB) comentou a permanência de Simone no Governo do Estado, apostando já estaria estreitando os laços com os prefeitos, já que concorre com Nelsinho Trad (PMDB) para ser a candidata do partido em 2014. Porém, se depender da vontade de Simone, o governador terá os planos frustrados.

“O meu candidato para o Governo é o Nelson Trad Filho”, declarou a vice-governadora, esclarecendo que dará preferência pela disputa da vaga no Senado Federal. Todavia, se o PMDB entender que precisará de um candidato mais forte, no caso o governador André Puccinelli, Simone pensa em assumir o governo até o fim do mandato, sem se candidatar a nada.

Simone descarta a possibilidade de fortalecimento do nome dela no período que estiver a frente do Governo, em caso de licença de Puccinelli para disputar o Senado. Ela entende que antes de Puccinelli renunciar o partido já terá definido todos os caminhos, inclusive se ela será ou não a candidata.

Embora Simone diga que tem preferência pelo Senado e Nelsinho pelo Governo do Estado, Puccinelli já declarou que a vontade pessoal não será respeitada e que o candidato do grupo será o que estiver melhor nas pesquisas de intenção de voto.

Jornal Midiamax