Política

Para Elizeu, Campo Grande retrocedeu nos primeiros seis meses da gestão Bernal

O vereador Elizeu Dionízio (PSL) não está satisfeito com os primeiros seis meses de administração do prefeito Alcides Bernal (PP), completados nesta segunda-feira (1°). Na avaliação do vereador, em vez de desenvolver, Bernal conseguiu fazer a cidade retroceder em pouco tempo. O vereador acredita que o retrocesso e falta de adesão popular não passa pela pessoa […]

Arquivo Publicado em 01/07/2013, às 10h58

None
1890118567.jpg

O vereador Elizeu Dionízio (PSL) não está satisfeito com os primeiros seis meses de administração do prefeito Alcides Bernal (PP), completados nesta segunda-feira (1°). Na avaliação do vereador, em vez de desenvolver, Bernal conseguiu fazer a cidade retroceder em pouco tempo.

O vereador acredita que o retrocesso e falta de adesão popular não passa pela pessoa do prefeito, que avalia como um bom comunicador, mas pela ineficácia administrativa, atestada pela falta de projetos de lei enviados para a Câmara. O vereador ressalta que em seis meses o prefeito só enviou três projetos à Casa e dois foram aprovados, mas ele ainda nem executou.

“Mandou o projeto, criou cargo, fez remanejamento, mas ainda nem executou. Na verdade, são seis meses de poucos projetos e quem se opõe a administração ele repreende veementemente. Prova disso é o processo que ele entrou contra declarações contra ele no Facebook. Entrou com o processo com medo de que a manifestação tomasse conta das pessoas”, detalhou.

O vereador citou a falta de transparência na administração de Bernal como o principal problema. Ele afirma que não há transparência na administração, visto que no site da prefeitura não há nenhuma informação sobre as contas de 2013.

“São coisas que me preocupam porque não sei até onde vai prejudicar, de forma contumaz, a cidade. Uma coisa é parar e a outra é retroceder. A cidade tinha problemas, tinha, mas era bem mais eficaz do que está se propondo. Criou um trabalho de mutirão e outro de unidade móvel de saúde. Fiz só uma pergunta: quantos médicos contratou nos seis meses de administração? Quantos pediram para sair? Não respondeu”, explicou.

O vereador lembra que a falta de confiança na administração também faz profissionais se afastarem da prefeitura. Ele conta que conversou com vários médicos e observou  neles o receio de se prejudicar. “Quatro médicos me falaram que saíram da prefeitura para não ligar a profissão com esta administração. Isso é ruim. Campo Grande perde. Deixa de crescer”, lamentou.

Elizeu também aponta prejuízo com a falta de um secretário de Governo, já que Gustavo Freire acumula a função junto com a Secretaria de Receita, e a falta de uma secretária de desenvolvimento à altura do Município. “Tem uma secretária colocada para ocupar espaço, fraca. Em seis meses, a minha nota para o prefeito é a mesma dada nos primeiros seis meses de trabalho: zero”, concluiu.

Jornal Midiamax