Política

Ida de Giroto ao PR faz parte de determinação nacional do PMDB para aliança em MS

Ida do secretário estadual de Obras e deputado federal licenciado, Edson Giroto, para o PR é uma estratégia política de aliados para que o partido continue a ter representação a nível federal. A afirmativa é do presidente do PMDB, deputado estadual Junior Mochi, que declarou ainda que os partidos sempre foram aliados e devem permanecer […]

Arquivo Publicado em 09/10/2013, às 19h29

None
824423263.jpg

Ida do secretário estadual de Obras e deputado federal licenciado, Edson Giroto, para o PR é uma estratégia política de aliados para que o partido continue a ter representação a nível federal. A afirmativa é do presidente do PMDB, deputado estadual Junior Mochi, que declarou ainda que os partidos sempre foram aliados e devem permanecer na atual condição em 2014.

“O PR é um partido que sempre foi nosso aliado e a mudança de Giroto e Antônio Cruz é uma solicitação da direção nacional de que o PR tem que ter representação a nível federal. Dentro de um arco de alianças e havendo coligação, é preciso que eles tenham nomes para disputar uma vaga para deputado federal, com efetiva chance de conseguir representação no Congresso e os dois cumprem esse papel”, explicou.

Questionado se então já está acertado o apoio do PR ao partido, Mochi voltou atrás. “Não há nada decidido. Mas a ida do Giroto é uma sinalização da boa vontade do PMDB em relação ao PR”, disse. Assim, dois integrantes da base de Puccinelli podem ir ao congresso mesmo que alçados por outro partido

O anúncio da mudança de partido por Giroto foi feita no início desta semana, quando o presidente do PR, Londres Machado, marcou uma coletiva para oficializar a troca de siglas. O governador André Puccinelli (PMDB) negou que ele fosse deixar o partido e a troca foi feita silenciosamente.

Segundo informações de Londres Machado, a volta de Giroto ao PR já estava em andamento desde que encerram as eleições municipais. Londres disse que a ida ao PMDB foi uma exigência do ex-prefeito Nelsinho Trad (PMDB) de que o candidato tinha que ser do partido.

Jornal Midiamax