Política

Bernal não teme confronto com Zeca, mas cobra do PT apoio na busca por aliados

Para o deputado progressista, o PT pode escolher o candidato que quiser desde que divida os partidos aliados com ele

Arquivo Publicado em 16/06/2012, às 15h14

None
352344919.jpg

Para o deputado progressista, o PT pode escolher o candidato que quiser desde que divida os partidos aliados com ele

Pré-candidato a prefeito da Capital, o deputado estadual Alcides Bernal (PP) disse não temer eventual troca de candidato do PT na disputa pela sucessão da Prefeitura de Campo Grande. Para ele, só interessa que os petistas cumpram acordo de ajudá-lo na corrida por aliados. “Com ou sem Zeca, sou candidato”, disse sobre a possibilidade de o deputado federal Vander Loubet (PT) abrir mão da pré-candidatura a prefeito para o ex-governador Zeca do PT.


Ontem (15), Vander admitiu que “eleitoralmente” Zeca seria o melhor nome do partido para disputar a prefeitura da Capital, mas destacou que sua escolha possibilitou algo melhor, que seria a pulverização das candidaturas. Bernal discordou ao afirmar que a indicação do ex-governador não o tiraria do embate.


Para o deputado progressista, o PT pode escolher o candidato que quiser desde que divida os partidos aliados com ele. “Se a tese da pulverização é tão importante, o PT que dispõe de um considerável tempo de propaganda na televisão, precisa possibilitar que outras forças políticas caminhem conosco”, cobrou.


A reação de Bernal leva em consideração recente declaração de Vander, indicando contar com o apoio do PSB, PSL, PRB e PCdoB, partidos tradicionalmente do campo de oposição. “Parece que o PT quer levar todos com ele e me deixar isolado”, disse o deputado. “Falam tanto em pulverização, mas parece jogo combinado para ter mais uma polarização de PT com PMDB”, emendou.


Até agora, apenas o PSD sinaliza aliança com o PP. O partido, no entanto, não dispõe de tempo de televisão, por conta de sua recente criação. Diante do risco de ficar com tempo reduzido de propaganda, Bernal pressiona os petistas para cumprirem promessa de ajudá-lo na corrida por aliados.


A missão, segundo Vander, está nas mãos do senador Delcídio do Amaral (PT). “Ele vem articulando isso”, afirmou. Os partidos têm até 30 de junho para homologar as pré-candidaturas e as coligações. Zeca garantiu não assumir o lugar de Vander nesta reta final.

Jornal Midiamax