Política

Travessia de gado continua no Nabileque, apesar de omissão do governo Puccinelli

Produtores reclamam que pagam o imposto e nada recebem em troca, o que caracteriza, segundo ele, em desvio de finalidade dos recursos arrecadados com o Fundersul na região pantaneira

Arquivo Publicado em 11/05/2011, às 18h40

None

Produtores reclamam que pagam o imposto e nada recebem em troca, o que caracteriza, segundo ele, em desvio de finalidade dos recursos arrecadados com o Fundersul na região pantaneira

O Midiamax mostrou, ontem, como os pecuaristas e produtores rurais da região do Nabileque, que fica no Pantanal entre Corumbá e Porto Murtinho, têm perdas e trabalho excessivo provocados pelos desvios de aplicação do Fundersul [imposto criado para melhorar as estradas] em suas regiões. Exatamente isso.

Todos reclamam que pagam o imposto e nada recebe em troca, o que caracteriza um desvio de finalidade dos recursos arrecadados com o Fundersul na região.

No mesmo caso estão produtores da Grande Dourados, que engloba 35 municípios, e de outras regiões do estado. Os relatos são semelhantes. Eles dizem que precisam reformar pontes, fazer aterros nas cabeceiras e recuperar a trafegabilidade das estradas vicinais por conta própria.

Hoje, a segunda parte do vídeo reportagem vai mostrar com isso acontece na prática. No Nabileque, como o gado sai da água dos aterros inundados, por terem altura muito baixa, os pecuaristas também tiveram que reformar o madeiramento das pontes, para que os animais não escorregassem, quebrando ossos e tendo que ser sacrificados.

Caso não fizessem a reforma por conta própria, apesar de pagarem R$ 4,00 em média por cabeça, o gado morreria de fome na região isolada pelas cheias do Pantanal. Segundo os pecuaristas, na região do Nabileque existem entre 35 a 50 mil cabeças de gado bovino e nenhuma ajuda do governo estadual, nem para as obras emergenciais em curso.

Veja o vídeo.

Jornal Midiamax