Polícia / Trânsito

Motorista de carro preto atropela morador de rua perto do Cetremi e foge sem socorrer

Mariane Chianezi e Mariana Rodrigues Um homem, de 35 anos, foi atropelado na manhã deste domingo (29), por volta das 8h, na Avenida Redentor, perto do Residencial Maria Aparecida Pedrossian, saída para Três Lagoas, em Campo Grande. O motorista, que não foi identificado, conduzia um carro hatch preto, fugiu sem prestar socorro. O aspirante Alex […]

Mariane Chianezi Publicado em 29/04/2018, às 08h49 - Atualizado em 30/04/2018, às 09h16

Homem foi atropelado por motorista de carro hatch preto | Foto: Mariana Rodrigues
Homem foi atropelado por motorista de carro hatch preto | Foto: Mariana Rodrigues - Homem foi atropelado por motorista de carro hatch preto | Foto: Mariana Rodrigues
Mariane Chianezi e Mariana Rodrigues

Um homem, de 35 anos, foi atropelado na manhã deste domingo (29), por volta das 8h, na Avenida Redentor, perto do Residencial Maria Aparecida Pedrossian, saída para Três Lagoas, em Campo Grande. O motorista, que não foi identificado, conduzia um carro hatch preto, fugiu sem prestar socorro.

O aspirante Alex Cano, do Corpo de Bombeiros, disse que testemunhas acionaram o socorro e o homem estava inconsciente quando os militares chegaram. Foi preciso chamar uma viatura de atendimento avançado dos bombeiros e equipe do SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência).

Depois de alguns minutos a vítima recobrou a consciência, mas ainda respirava com muita dificuldade. Ele teria sido encaminhado para a Santa Casa da Capital.

Uma testemunha disse ao Jornal Midiamax que viu o exato momento do acidente e que o homem, morador do Cetremi (Centro de Triagem e Encaminhamento ao Migrante), foi arremessado com o impacto.

Ainda segundo testemunha, ela seguiu o motorista pelas ruas do bairro para conseguir visualizar a placa, mas ele conseguiu despistá-la.

Bombeiros informou que o homem ficou com TCE (Traumatismo Crânioencefálico), escoriações no tórax, tornozelo e braço direito. Apesar de recuperar a consciência, estado de saúde ainda é considerado grave.

Jornal Midiamax