Polícia

‘Vai acabar com a minha carreira’: vereador de MS é preso por agredir e ameaçar noiva

Ele ameaçou matar a vítima se o denunciasse

Renata Portela Publicado em 05/09/2021, às 09h55

Registro foi feito na Delegacia em Dourados
Registro foi feito na Delegacia em Dourados - (Arquivo, Midiamax)

Na noite de sábado (4), por volta das 22h30, vereador Diogo Castilho (DEM) de Dourados, município que fica a 225 quilômetros de Campo Grande, homem de 36 anos foi preso em flagrante por violência doméstica. Ele é acusado de agredir e ameaçar a noiva, alegando que se ela o denunciasse, acabaria com a carreira política dele.

De acordo com a Polícia Militar, o casal teve uma discussão, quando ele segurou a mulher pelos braços e a jogou na cama, a xingando. Ele começou a chacoalhar a vítima e ainda tentou esganar a mulher com as mãos e também asfixiar com um travesseiro. A mulher, então, teria dito que denunciaria o suspeito.

Com isso, o vereador então ameaçou “Se você me denunciar eu te mato”, “Você vai acabar com minha carreira política se fizer isso, eu mato você e toda a sua família”, conforme relato da vítima. Ele foi detido em flagrante e a mulher solicitou medida protetiva de urgência. Segundo a polícia, o estado físico e emocional da vítima comprovavam a violência.

O filho do vereador estava na casa no momento das agressões, mas, segundo a vítima, não teria presenciado o fato. O pai teria dito para ele atender a porta quando os policiais militares chegaram e dizer que “estava tudo bem”, que tinha acontecido apenas uma briga de casal.

Preso em flagrante, o vereador passou a noite na delegacia e segue detido. O advogado de defesa Renan Pompeu relatou ao Midiamax que vai até a unidade para conversar com o cliente nesta manhã e também já deve entrar com o pedido de substituição da prisão por medidas cautelares.

Conforme o advogado, o vereador tem um filho de 12 anos e é o único responsável pelo adolescente, por isso será feito pedido para que ele deixe a delegacia. O vereador não tem outras passagens, segundo a defesa, e também não teria histórico de violência. Conforme o advogado Renan, o cliente nega com veemência os fatos.

O caso foi registrado como ameaça, injúria e vias de fato, qualificados por violência doméstica.

Jornal Midiamax