Polícia

Traficantes usavam reserva florestal para produção de 5,5 toneladas de maconha

A Senad (Secretaria Nacional Antidrogas), do Paraguai, destruiu nesta quinta-feira (21) centro de cultivo e processamento de maconha com 5,5 toneladas da droga. As operações do tráfico de drogas eram realizadas na região da reserva Maracaná, no departamento de Canindeyú, que fica na linha internacional com Mato Grosso do Sul. O trabalho localizou dois acampamentos […]

Renan Nucci Publicado em 21/01/2021, às 15h56

Sacos de maconha foram destruídos em operação. Foto: Senad
Sacos de maconha foram destruídos em operação. Foto: Senad - Sacos de maconha foram destruídos em operação. Foto: Senad

A Senad (Secretaria Nacional Antidrogas), do Paraguai, destruiu nesta quinta-feira (21) centro de cultivo e processamento de maconha com 5,5 toneladas da droga. As operações do tráfico de drogas eram realizadas na região da reserva Maracaná, no departamento de Canindeyú, que fica na linha internacional com Mato Grosso do Sul.

O trabalho localizou dois acampamentos usados para armazenar insumos, que facilitam o  trabalho de produção. Lá havia prensas, equipamentos de corte e secagem da erva. Ao todo, eram 5,5 toneladas da droga picada. A destruição causou prejuízo de aproximadamente R$ 800 milhões.

Além do tráfico em si, as autoridades paraguaias investigam a degradação de áreas de reserva florestal protegidas para plantio da maconha. O crime organizado se beneficia de tal artifício em razão do difícil acesso. O Ministério Público investiga o caso.

Jornal Midiamax