Polícia

‘Reconheceria ele até em um campo de futebol’, diz paciente estuprada no Hospital Regional

Técnico de enfermagem de aproximadamente 50 anos suspeito de estuprar uma paciente de 36 anos foi submetido a reconhecimento pela vítima na Deam (Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher), nesta quinta-feira (18), em Campo Grande. De acordo com a denúncia, o crime ocorreu no início da madrugada do último dia 4. Acadêmica de direito, de […]

Diego Alves Publicado em 18/02/2021, às 20h45 - Atualizado em 19/02/2021, às 10h31

Hospital Regional de Campo Grande (Foto: Divulgação)
Hospital Regional de Campo Grande (Foto: Divulgação) - Hospital Regional de Campo Grande (Foto: Divulgação)

Técnico de enfermagem de aproximadamente 50 anos suspeito de estuprar uma paciente de 36 anos foi submetido a reconhecimento pela vítima na Deam (Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher), nesta quinta-feira (18), em Campo Grande. De acordo com a denúncia, o crime ocorreu no início da madrugada do último dia 4.

Acadêmica de direito, de 56 anos, mãe da vítima, relata que a filha reconheceu o suspeito no momento em que ele entrou na sala especial, para reconhecimento. Além de ter entrado em contradição, ela relata que o técnico de enfermagem, apresentou muito nervosismo durante o reconhecimento.

“Único que demonstrou nervosismo, desespero, angústia. A mãe também lembra que no momento do abuso, a filha entrou em luta corporal com o técnico de enfermagem, e neste momento, a máscara de proteção facial dele caiu.

“Minha filha falou para a delegada, que se ele estivesse em um campo de futebol, ela ainda reconheceria ele ainda”. Na delegacia, ele negou que tivesse atendido a paciente de 36 anos. À polícia, ele diz que se lembra apenas de uma idosa que estava no mesmo quarto.

“Tentei me jogar da cama e fazer barulho [para chamar a atenção]. Estávamos no sétimo andar e tinha grade na janela, mas a vontade que tinha era de me jogar de lá, para que ele não continuasse. Tive medo de que subisse em mim. A senhora que estava na cama do lado estava apagada [por isso não ouviu]”, relata a vítima sobre os abusos sofrido.

Alegando que iria passar um óleo pelo corpo dela, sob a justificativa de que iria melhorar a respiração e evitar lesões, o homem a violentou. Primeiro, espalhou a substância pelas costas dela e em seguida começou a tocá-la nas partes íntimas. Mesmo sem forças, ela reagiu e se debateu. Porém, a paciente entrou em colapso, momento em que chegou uma enfermeira ao quarto. A mãe conta que a enfermeira que havia acabado de entrar no quarto, não teria percebido que a paciente tinha sido abusada.

Ela recebeu atendimento e, posteriormente, após ser medicada, conseguiu contato telefônico com a mãe pouco antes do início da manhã do mesmo dia. A mãe relata que foi imediatamente ao Hospital Regional e, no mesmo dia, procurou a polícia para registrar o boletim de ocorrência. A paciente foi transferida para outro quarto, em andar diferente do hospital, onde recebeu alta no último dia 9.

O suspeito foi indiciado e irá responder pelo crime em liberdade. O Hospital Regional informou que abriu uma sindicância para apurar os fatos. “Momento difícil, minha filha tem mais sono normal, tem que tomar medicamentos”, diz a mãe.

Jornal Midiamax