Polícia

Professor é condenado a 48 anos de prisão por estuprar os dois filhos durante sessão de filmes pornôs

Também foi condenado com a perda do cargo já que ministrava aulas na rede estadual de ensino

Thatiana Melo Publicado em 11/05/2021, às 10h24

None
(Ilustrativa)

Foi condenado a 48 anos e 9 meses de prisão em regime fechado, um professor acusado de estuprar os filhos de 8 e 4 anos, por cerca de três anos, na cidade de Rio Negro a 163 quilômetros de Campo Grande. Ele tentou a revogação de sua prisão em março deste ano, mas a Justiça negou.

Também foi publicado no Diário da Justiça desta terça-feira (11) a perda do cargo do acusado, que ministrava aulas na rede estadual. A sentença condenatória foi proferida no dia 4 deste mês. O professor está preso desde dezembro de 2020, quando a mãe das crianças procurou a delegacia para registrar um boletim de ocorrência.

A menina que na época da denúncia tinha 11 anos contou a mãe sobre os abusos após ter uma crise de pânico em dezembro de 2020, quando o pai apareceu na residência para visitá-los. A menina teria saído correndo e se escondendo embaixo de uma coberta. Ela começou a ser estuprada pelo pai quando tinha 8 anos e o irmão quando tinha 4 anos.

Para a mãe, a criança disse que foi estuprada pelo pai pela primeira vez durante as férias quando ela e seus irmãos foram visitar o pai. A vítima contou, que o pai trancou o irmão em um dos quartos para poder abusar dela. As crianças ainda tinham de assistir a filmes pornográficos.

Ela ainda disse que o homem tapou a sua boca para que não gritasse, sendo que a criança chegou a desmaiar de dor e por falta de ar. O menino também contou a mãe que já teria sido estuprado mais de 20 vezes pelo pai, e que sentia muita dor, mas as crianças eram ameaçadas pelo homem e, por medo, não contavam a mãe.

A menina chegou a ser levada anteriormente a uma UPA (Unidade de Pronto Atendimento), por causa das crises nervosas, chegando a tomar remédio para gastrite. Após a descoberta dos crimes, o homem acabou preso e, por unanimidade, foi negada a revogação de sua prisão.

Jornal Midiamax