Polícia

‘Não resisti’: Secretária procura a polícia após ter nádegas beijadas por chefe médico

Vítima desligou-se da empresa e acionou a Delegacia da Mulher

Renan Nucci Publicado em 21/04/2021, às 17h13

Casa da Mulher Brasileira, onde fica a Delegacia de Atendimento à Mulher em Campo Grande
Casa da Mulher Brasileira, onde fica a Delegacia de Atendimento à Mulher em Campo Grande - Arquivo

Uma secretária de 23 anos procurou a Polícia Civil para denunciar o ex-patrão, um médico de 60 anos, por importunação sexual, em Campo Grande. O homem teria beijado as nádegas da jovem durante um exame, dizendo em seguida que não resistiu. Diante dos abusos, a vítima contou o ocorrido ao marido e pediu demissão.

Conforme boletim de ocorrência registrado nesta quarta-feira (21), na Deam (Delegacia de Atendimento à Mulher), a vítima disse que trabalhou na clínica por aproximadamente 15 dias, desempenhando a função de secretária. Na segunda-feira passada, por volta das 9 horas, o patrão se ofereceu para examiná-la.

Imaginando que seria apenas um procedimento médico de rotina, ela aceitou. Naquela ocasião, o médico fez um exame de abdômen, constatando que ela não tinha nenhum problema de vesícula. Em seguida, fez um ultrassom na virilha dela e entregou guardanapos para que ela se limpasse do produto usado no procedimento.

Neste momento, conforme relatado pela vítima, o médico tentou limpar a virilha dela. Porém, sentindo-se constrangida com o abuso, ela saiu da maca rapidamente e ficou de costas para ele enquanto se limpava. O homem se aproximou e então a beijou nas nádegas, aproveitando-se que as calças dela estavam levemente abaixadas em razão dos exames.

“Nossa, você não tem estrias? São lindas”, teria dito ele sobre as nádegas da funcionária. “Me desculpa, eu não resisti! Você está de parabéns”, teria justificado o autor após beijá-la. Após o ocorrido, a funcionária se desligou da empresa e foi, juntamente com o marido, conversar com o médico sobre o ocorrido.

O ele tentou alegar que a vítima havia dado abertura a ele. Contudo, na presença do marido dela, mudou o discurso, pediu desculpas, assumiu o erro e pediu para que a vítima continuasse trabalhando com ela. O pedido, obviamente, foi negado. O caso foi encaminhado à Deam e está sendo apurado como importunação sexual.

Jornal Midiamax