Polícia

Advogado matou ex-líder do PSL em MS após ver troca de mensagens no notebook

No dia do crime, o advogado teria discutido com Fernanda pelo telefone

Thatiana Melo Publicado em 08/06/2021, às 07h02

None
(Reprodução/ Jornal da Nova)

Mensagens encontradas no notebook de Fernanda Daniele de Paula Ribeiro dos Santos, 36 anos, e ciúmes teriam sido motivo para o advogado Alexandre França ter assassinado a ex-líder do PSL, que teve o corpo encontrado em um milharal no dia 29 de maio próximo a Nova Andradina.

O advogado está preso no presídio Militar de Campo Grande, quando teve sua prisão preventiva decretada no dia 1 de junho. A polícia que havia apreendido o notebook de Fernanda encontrou mensagens que ela acabou trocando com outros homens, o que teria gerado ciúmes em Alexandre.

Alexandre havia prometido se casar com a vítima se desvinculando de sua ex-mulher. Inclusive a ex-líder do PSL e o advogado mantinham um relacionamento de união estável, que havia sido registrado em cartório, de acordo com o Jornal da Nova.

No notebook de Fernanda foi encontrado print do contrato de união estável rasgado, acordo esse que chegou a ser divulgado por várias vezes nas redes sociais. Uma testemunha contou a polícia, que no dia do crime Fernanda e Alexandre discutiram pelo telefone.

Segundo a testemunha a briga teria ocorrido por causa da ex-mulher do advogado. “Alexandre e Fernanda sempre brigavam por telefone, principalmente pelo motivo da ex-mulher e ciúmes”, disse em depoimento à polícia.

Para a polícia o advogado e a vítima, possuíam um relacionamento estável há mais de ano, inclusive com contrato de união estável de convivência duradoura.

“Percebemos que a vítima demonstrava um amor intenso pelo investigado, e, que por mais que ela rompesse, o relacionamento sempre perdoava o investigado, mesmo ele não cumprindo com as promessas feitas a ela”, diz a polícia no relatório investigativo.

O caso

Fernanda foi encontrada degolada em um milharal no dia 29 de maio. O advogado teve um relacionamento com a vítima em setembro de 2019. Quando os policiais chegaram a casa, o advogado estava acompanhado pelo vice-presidente da 7ª Subseção OAB (Ordem dos Advogados do Brasil). Outros objetos também foram apreendidos e passarão por perícia. Também foi apreendido o veículo Ford Fusion pertencente ao investigado.

No sábado (1) de junho, o delegado Phelipe Davanso afirmou que nem motivação política ou o crime de feminicídio são descartados pela polícia. Segundo o delegado, o crime de latrocínio foi totalmente descartado pelas investigações até pelo fato de que alguns pertences pessoais de Fernanda foram encontrados ao lado do corpo, assim como o seu carro que estava na garagem da sua casa.

O delegado não entrou em detalhes para não atrapalhar as investigações, mas disse que 10 pessoas já teriam sido ouvidas, entre elas, as que tiveram contato com Fernanda antes do corpo ser encontrado e também possíveis suspeitos. Os suspeitos teriam sido identificados depois de descobertas de mensagens e prints encontrados no notebook da ex-presidente do PSL, que levaram a polícia a oitivas destas pessoas, mas o conteúdo dos depoimentos não foi revelado pelo delegado.

Assim, neste domingo o advogado foi preso preventivamente, após ter carro e celular apreendidos pela Polícia Civil no dia anterior. Até o último sábado, a Polícia não tinha encontrado o telefone da vítima. Porém, o notebook dela possibilitou a equipe traçar o caminho até o suspeito.

Jornal Midiamax