Polícia

Ex-funcionário usou dados de usina e deixou calote de R$ 7 mil em laticínio

Homem responde ação penal por estelionato

Renan Nucci Publicado em 16/06/2021, às 16h33

None
Foto Ilustrativa

Homem de 33 anos, morador em Rio Brilhante, a 158 quilômetros de Campo Grande, virou réu por estelionato depois de usar o nome de uma usina em que trabalho, para comprar R$ 7 mil em produtos laticínios e não pagar. Ao todo, ele realizou cerca de cinco compras e só foi descoberto quando tiveram início as cobranças.

Conforme denúncia oferecida pelo MPMS (Ministério Público Estadual de Mato Grosso do Sul), em novembro de 2015, ele foi a um laticínio da região e negociou varias mercadorias. Ele se passou por representante jurídico da usina em que havia trabalho e, inclusive, estava devidamente uniformizado e com todos os dados necessários.

Neste sentido, conseguiu formalizar cinco compras em nome da usina, nos valores de R$ 1.819,10, R$ 2.044,40, R$ 1.320,16, R$ 769,12 e R$ 1.283,68. Para tanto, foram emitidas notas relativas ao negócio jurídico. No entanto, após quinta compra, o suspeito desapareceu, motivo pelo qual o dono do laticínio procurou a usina para receber.

Neste momento, descobriu que havia caído em um golpe. Funcionários da usina disseram que o denunciado já havia trabalhado lá, mas que jamais atuou no setor jurídico ou de compras. O caso foi relatado à Polícia Civil e durante o inquérito, o investigado se preservou no direito de ficar calado.

Jornal Midiamax