Polícia

Em depoimento, ex-prefeito preso em operação de desvio de R$ 23 milhões diz que assinava cheques sem ler

Disse que achava que cheques eram para reserva financeira e pagamento da folha

Thatiana Melo Publicado em 28/09/2021, às 12h48

None
(Divulgação)

O ex-prefeito de Maracaju, Maurílio Ferreira Azambuja, preso na deflagração da operação Dark Money feita pela Dracco, negou que tinha conhecimento dos crimes e disse que ficou sabendo, apenas, durante a ação que aconteceu no dia 22 deste mês. Ele chegou a ficar foragido por três dias.

O advogado de Maurílio, Rodrigo Dalpiaz, confirmou que, em depoimento, o ex-prefeito negou que tinha conhecimento dos crimes e que havia confiado em três funcionários para fazerem pagamentos de até R$ 100 mil, e assinava os cheques sem questionar já que confiava nos servidores. Os servidores eram Lenilso Carvalho Antunes, o ex-secretário de finanças do município, Daiana Cristina Kuhn, que já foi secretária municipal de administração, e Pedro Emerson Amaral Pinto.

Ele ainda disse que achava que os cheques eram para a reserva financeira, para o pagamento da folha e de fornecedores. Foram 600 cheques com valores de R$ 38 mil, que não passavam por controle. O ex-prefeito está preso e uma cela da 3º Delegacia de Polícia Civil de Campo Grande depois de se entregar na noite da última sexta-feira (24) após três dias foragido.

Operação Dark Money

Seis pessoas foram presas temporariamente. Imagens aéreas mostram a chegada do comboio trazendo os presos para a Capital. Os presos são: Lenilso Carvalho Antunes, o ex-secretário de finanças do município, Daiana Cristina Kuhn, que já foi secretária municipal de administração, Iasmin Cristaldo Cardoso, que atuou como diretora do Departamento de Tesouraria, Pedro Emerson Amaral Pinto – empresário dono da Tapeçaria Lobo e Fernando Martinelli Sartori, que atuou como assessor especial de gabinete.

Durante a operação, foi apreendido um barco com carretinha, discos rígidos e foi feito bloqueio de diversas contas bancárias, tanto de pessoas físicas como jurídicas. Ao todo, foram R$ 109 mil apreendidos em cheques e R$ 143 em espécie. Armas e joias também foram apreendidas.

Operação mirou servidores públicos

A ação mirou servidores públicos que atuaram no alto escalão do executivo municipal nos anos de 2019/2020, bem como empresários e empresas com envolvimento no esquema. O desvio dos cofres públicos chegou à ordem de R$ 23 milhões, segundo a polícia.

Ainda conforme o Dracco, foi constatada a criação de uma conta bancária de fachada, diversa da oficial e não declarada aos órgãos de controle interno e externo do município, por onde foram promovidos mais de 150 repasses de verbas públicas em menos de 1 ano.

A partir de negócios jurídicos dissimulados, integrantes do alto escalão da prefeitura emitiram mais de 600 lâminas de cheques, que totalizaram mais de R$ 23 milhões, a empresas, sem qualquer embasamento jurídico para amparar os pagamentos.

Muitas das empresas beneficiárias dos valores não mantinham relação jurídica com a prefeitura — licitação, contrato ou meio legal que amparasse a transação financeira. Além disso, não havia emissão de notas fiscais e os valores não eram submetidos a empenho de despesas.

Foram encontrados alvos no Paraná. Um deles acabou localizado e preso em um hotel. As ações foram realizadas em Maracaju, Corumbá, Ponta Porã e Campo Grande e envolveram 60 policiais civis do Estado — e ainda na cidade de Umuarama através de uma equipe da Polícia Civil do Paraná.

Jornal Midiamax