Polícia

Dona de casa acusada de matar e enterrar menina de 13 anos é presa em MS

Foi presa nesta segunda-feira (15), Tayara Caroline Silva, acusada do homicídio de Ingrid Lopes Ribeiro, de 13 anos, em janeiro de 2020. O crime aconteceu em Chapadão do Sul, a 330 quilômetros de Campo Grande, e a autora chegou a ser presa na época, mas teve liberdade concedida. Em fevereiro deste ano, teve prisão decretada. […]

Renata Portela Publicado em 15/03/2021, às 13h54

Menina foi enterrada nos fundos da casa (Foto: O Correio News)
Menina foi enterrada nos fundos da casa (Foto: O Correio News) - Menina foi enterrada nos fundos da casa (Foto: O Correio News)

Foi presa nesta segunda-feira (15), Tayara Caroline Silva, acusada do homicídio de Ingrid Lopes Ribeiro, de 13 anos, em janeiro de 2020. O crime aconteceu em Chapadão do Sul, a 330 quilômetros de Campo Grande, e a autora chegou a ser presa na época, mas teve liberdade concedida. Em fevereiro deste ano, teve prisão decretada.

A prisão foi feita por policiais civis de Cassilândia, através do SIG (Setor de Investigações Gerais). Tayara havia chegado em Paranaíba, após pegar carona com um caminhoneiro, e tentava outra carona na saída da cidade. Ela foi abordada por investigadores, que estavam em uma viatura descaracterizada.

A acusada demonstrou bastante nervosismo, então os policiais fizeram checagem, identificando o mandado de prisão em aberto. O mandado foi expedido em 5 de fevereiro, pelo crime de homicídio qualificado. Com isso, Tayara foi encaminhada para a delegacia. A princípio, conforme o site O Correio News, após ser presa no último ano ela teve a liberdade concedida porque tinha filhos menores de idade.

No entanto, foi revogada a prisão domiciliar, por conta da periculosidade da acusada.

Homicídio

O corpo da menina de 13 anos foi encontrado enterrado nos fundos de uma casa. A menina foi identificada como adolescente que estava desaparecida há 90 dias em Chapadão do Sul. Conforme apurado pela polícia, a jovem foi mantida em cativeiro por Tayara e depois assassinada e enterrada.

A acusada assumiu o crime e disse que empresou a casa para que a jovem fosse mantida em cativeiro, além de ter limpado o local do crime. Na época em que foi presa, Tayara ainda confirmou que a vítima já estava enterrada no local há pelo menos dois meses.

Jornal Midiamax