Polícia

Carlos Videira diz que operação quer 'espantar' novos donos do jogo do bicho e aposta na Lotesul

Secretário de Segurança de MS antecipou que parte do dinheiro da loteria estadual ficará com Sejusp

Thatiana Melo e Mayara Bueno Publicado em 16/09/2021, às 11h14

None

Durante a deflagração da segunda fase da operação contra o jogo do bicho na manhã desta quinta-feira (16), em Campo Grande, Antônio Carlos Videira da Sejusp (Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública), disse que a operação Deu Zebra, é para tirar de circulação os ‘novos’ exploradores do jogo do bicho, depois da última operação que deixou um espaço vago na Capital.

Videira falou que qualquer 'órgão' que vier para Campo Grande para a exploração do jogo do bicho será combatido. O secretário ainda disse que a Lotesul, aprovada recentemente pela Assembleia, será usada para recursos da segurança pública. 

O secretário ressaltou que a Lotesul será nos moldes da Lotex, que abastece recursos do Ministério da Justiça. “Toda e qualquer atividade que ensejar para que a Lotesul seja um case de sucesso será desencadeado por qualquer órgão do Governo para enfrentar jogos ilegais”, disse Videira.

“Loteria oficial do Mato Grosso do Sul é a Lotesul, que vai abastecer diversos setores do Governo e o que for atrapalhar será combatido”, finalizou Videira.

Operação contra jogo do bicho

Duas pessoas foram levadas para a delegacia na manhã desta quinta-feira (6), em Campo Grande, durante a deflagração da operação para combater os jogos do bicho na Capital. Em um dos comércios alvos da operação foram encontradas máquinas para apontar os jogos de azar.

Em outro comércio, os policiais apreenderam uma televisão e um caderno. Duas pessoas foram levadas para a delegacia, entre elas, uma mulher encaminhada para a Deam. Todos os detidos irão assinar um TCO (Termo Circunstanciado de Ocorrência) e serão liberados depois. 

Vários pontos da Capital foram alvos da operação que reuniu delegacias, inclusive, as especializadas. Na primeira fase, 72 pontos de jogo do bicho foram alvos da operação, que foi realizada em todos os bairros da cidade, resultando no registro de 28 boletins de ocorrência. Foram registrados crimes como jogo do bicho, jogo de azar e até contrabando, contra um vendedor com quem foram encontrados pacotes de cigarro contrabandeado do Paraguai. As pessoas abordadas foram levadas para as delegacias de área e, após serem ouvidas, assinaram termo de compromisso e comprometimento, sendo liberadas, conforme legislação vigente.

Operação Black Cat

A operação Black Cat lacrou 60 bancas do bicho em Campo Grande, na 4ª fase da Operação Omertà, em todos os cantos da cidade. O jogo do bicho estava sendo negociado por cerca de R$ 60 milhões para o Rio de Janeiro.

Todos que foram levados para a delegacia foram liberados depois de assinarem um TCO (Termo Circunstanciado de Ocorrência), e, nos dias seguintes, outras bancas que não foram lacradas foram alvo de novas ações do Garras e do Gaeco.

Outros pontos de venda de jogo do bicho também serão mapeados pela operação. Segundo informações o que for atividade mista, com venda de revista será fiscalizado e poderá ter o alvará cassado. Já em relação ao Pantanal Cap, o que estivesse em acordo com as normas continuaria com suas atividades, mas se forem flagrados vendendo jogo do bicho seriam lacrados. No entanto, na última fase da Omertà, a empresa Pantanal Cap foi impedida de realizar novos sorteios e funcionar.

Jornal Midiamax