Polícia

Após cirurgia e 19 dias internada, trans que sofreu estupro coletivo recebe alta

O caso é investigado na Deam

Thatiana Melo Publicado em 16/07/2021, às 12h03

None
(Henrique Arakaki, Midiamax)

Recebeu alta do Hospital Universitário e Campo Grande, a transexual que sofreu um estupro coletivo depois de ser sequestrada na Rua Tietê, na Vila Sobrinho, por dois homens que estavam em um veículo vermelho, no dia 18 de junho.

Ela recebeu alta na última terça-feira (13) segundo a assessora do hospital. Ela passou por uma cirurgia e reconstrução após os ferimentos sofridos pelo crime, que está sendo investigado em sigilo pela Deam  (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher). A polícia ainda busca pelos criminosos. A transexual está em casa e passa bem. 

Ainda quando estava internada, familiares e amigos da transexual organizaram uma manifestação no dia 2 de julho contra o crime. Além da manifestação, amigos e familiares organizaram uma vakinha virtual para ajudar a vítima.

Sequestro e estupro coletivo

Ela foi abordada na Rua Tietê, na Vila Sobrinho, por dois homens que estavam em um veículo vermelho, no dia 18 deste mês onde foi levada até uma casa. A vítima foi agredida violentamente, estuprada e obrigada inclusive a ter relações sexuais com um cachorro. Hospitalizada com ferimentos graves, ela foi ouvida pela Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher) antes de passar por cirurgia. 

Depois, foi abandonada na rua, bastante machucada. Uma das linhas de investigação do caso é de LGBTfobia, crime de ódio praticado motivado pela orientação sexual e/ou identidade de gênero das vítimas. O caso foi denunciado à polícia na noite de sexta-feira (25), quando a vítima conseguiu falar sobre os crimes sofridos.

Jornal Midiamax