Polícia

‘Abalado psicologicamente’, alega defesa ao pedir liberdade a motorista que matou dois

A defesa de Vinicius de Oliveira Gonçalves acusado da morte dos amigos Jair Ferreira de 49 anos e Mauro Jorge Pereira Nantes de 54 anos, em um acidente no dia 4 de fevereiro, na Avenida Guaicurus, em Campo Grande, entrou na Justiça nesta quarta-feira (17) com pedido da revogação de prisão do rapaz, que teve sua prisão decretada […]

Thatiana Melo Publicado em 18/02/2021, às 10h22 - Atualizado às 10h44

(Henrique Arakaki, Midiamax)
(Henrique Arakaki, Midiamax) - (Henrique Arakaki, Midiamax)

A defesa de Vinicius de Oliveira Gonçalves acusado da morte dos amigos Jair Ferreira de 49 anos e Mauro Jorge Pereira Nantes de 54 anos, em um acidente no dia 4 de fevereiro, na Avenida Guaicurus, em Campo Grande, entrou na Justiça nesta quarta-feira (17) com pedido da revogação de prisão do rapaz, que teve sua prisão decretada no dia 5 de fevereiro, após o acidente.

Segundo a defesa, Vinicius é réu primário, com residência fixa e que no dia do acidente, ele estava fugindo em alta velocidade por estar sendo perseguido pelo ex-marido de sua atual namorada e que o homem estaria fazendo menção de estar armado, e diante da ameaça ficou “sobremaneira abalado psicologicamente, que tentou de todas as formas se livrar de tal situação, e não viu alternativa, se não empreender fuga dom meliante”.

Ainda de acordo com a defesa, as circunstâncias da fuga acabaram fugindo ao controle do réu, devido a perseguição sofrida. O advogado ainda disse no pedido para a revogação da prisão, que Vinicius estava trafegando em avenida preferencial e foi surpreendido pelo veículo onde estavam Jair e Mauro, o que causou o acidente. Por fim, a defesa alega que Vinicius não estava embriagado e teria ficado no local do acidente até a chegada do socorro.

A prisão preventiva do rapaz foi determinada no dia seguinte ao acidente, “Verifica-se, in casu, pelas condições do delito, em especial pela natureza do crime, praticado na direção de veículo automotor em alta velocidade pelas vias da cidade, ocasionando acidente com duas vítimas fatais em outro veículo, bem como pela ausência de comprovação de trabalho lícito e residência fixa, não ser recomendável a concessão de liberdade provisória”.

“Ressalto, outrossim, embora haja Recomendação do Conselho Nacional de Justiça acerca da máxima excepcionalidade na decretação de novas ordens de prisão preventiva no Período de Pandemia, verifica-se, in casu, o fato do crime ter sido praticado mediante excesso de velocidade, durante o dia, em via pública da cidade, de modo que infiro não ser recomendável a concessão de medidas cautelares mais brandas”.

O acidente

O acidente aconteceu durante uma perseguição do ex-marido a mulher, na Avenida Guaicurus. Jair e Mauro  estavam na Guaicurus quando o Gol estava fugindo da perseguição e atravessou a avenida acertando o veículo. Com o impacto, as vítimas que estavam com cinto de segurança foram lançadas para o banco traseiro. Eles morreram no local antes da chegada do socorro. O motociclista que provocou o acidente fugiu.

Segundo testemunhas que estavam no local, o motociclista que estava perseguindo a ex levou a mulher do local do acidente. Um borracheiro, que presenciou o acidente, disse ao Jornal Midiamax que depois do acidente o homem que estava na motocicleta ficou discutindo com a mulher falando, “Você viu o que você fez?”. Em seguida ele a levou do local.

Jornal Midiamax