Polícia

Testagem em massa constata 41 presos com coronavírus em Rio Brilhante

Durante testagem em massa realizada entre quinta-feira (16) e esta sexta-feira (17), a Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário) constatou 41 presos com coronavírus (Covid-19) no presídio masculino de Rio Brilhante, a 158 quilômetros de Campo Grande. A medida foi adotada após descoberta dos primeiros casos positivos e a meta é de que […]

Renan Nucci Publicado em 17/07/2020, às 16h37

Foto ilustrativa: Agepen | Divulgação
Foto ilustrativa: Agepen | Divulgação - Foto ilustrativa: Agepen | Divulgação

Durante testagem em massa realizada entre quinta-feira (16) e esta sexta-feira (17), a Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário) constatou 41 presos com coronavírus (Covid-19) no presídio masculino de Rio Brilhante, a 158 quilômetros de Campo Grande. A medida foi adotada após descoberta dos primeiros casos positivos e a meta é de que todos os 288 custodiados sejam examinados.

Em nota, a Agepen afirmou que a suspeita é de que a doença tenha sido adquirida durante atendimento de saúde fora do presídio. “Dois servidores também testaram positivo e já estão afastados. A aplicação dos testes deverá prosseguir pelos próximos dias, de acordo com as possibilidades da Secretaria Municipal de Saúde”, diz a agência.

Ao todo somam-se 69 casos entre a massa carcerária de Mato Grosso do Sul. Além destes 41, outros 21 foram constatados na unidade feminina de Rio Brilhante, seis na Unidade Penal Ricardo Brandão, em Ponta Porã, e um no Instituto Penal de Campo Grande; nessas últimas duas unidades os casos foram de internos novos que provavelmente chegaram na unidade com a doença.

Conforme acompanhamento, não há nenhum caso grave ou necessidade de internação entre os constatados; também não houve registro de óbitos. As famílias de todos os casos constatados devem ser informadas. “Tomamos uma série de cuidados e continuaremos trabalhando com afinco neste sentido”, disse o diretor-presidente da Agepen, Aud de Oliveira Chaves.

“Desde o início da pandemia, várias medidas têm sido adotadas com uso constante de máscaras pelos policiais penais, além de fornecimento de máscaras ao internos. Também é realizada desinfecção constante do ambiente, são disponibilizados materiais para higienização das mãos; além das visitas estarem suspensas desde março, assim como nos demais presídios do Estado, entre outros procedimentos. Este mês unidade penal também recebeu reforço na proteção dos servidores com a doação de “face shields” protetores faciais da Rede CoronaVidas”, pontua a Agepen.

Jornal Midiamax