Polícia

Promotor diz que atentado contra policiais na fronteira com MS é emboscada de ladrões de gado

O promotor paraguaio Hernán Mendoza informou que o ataque aos agentes do Geo (Grupo de Operações Especiais (GEO), que deixou um morto e outro ferido, foi orquestrado por ladrões de gado que atuam na fronteira de Capitán Bado, Departamento de Amambay, na divisa com Coronel Sapucaia, no Mato Grosso do Sul. Segundo Hernán,  os agentes […]

Marcos Morandi Publicado em 03/12/2020, às 07h08

Emboscada aconteceu na fazenda São Marcos. (Foto: Divulgação).
Emboscada aconteceu na fazenda São Marcos. (Foto: Divulgação). - Emboscada aconteceu na fazenda São Marcos. (Foto: Divulgação).

O promotor paraguaio Hernán Mendoza informou que o ataque aos agentes do Geo (Grupo de Operações Especiais (GEO), que deixou um morto e outro ferido, foi orquestrado por ladrões de gado que atuam na fronteira de Capitán Bado, Departamento de Amambay, na divisa com Coronel Sapucaia, no Mato Grosso do Sul.

Segundo Hernán,  os agentes foram agredidos por desconhecidos na fazenda San Marcos 2, de Sonia González, na cidade paraguaia. Conforme as investigações, na semana passada, nesta mesma propriedade quatro animais foram abatidos clandestinamente.

Ele explicou que devido às características do caso, está descartado que seja uma ação de criminosos ligados ao narcotráfico, como inicialmente apontavam as investigações. Ainda segundo o promotor, o ataque envolveu 9 a 10 pessoas.

De acordo com informações da polícia paraguaia, durante esse tipo de crime, os envolvidos costumam utilizar mulheres e criança para se blindarem durante possíveis confrontos e que os agentes atacados estavam investigando roubo de gado na propriedade.

A fazenda onde aconteceu a emboscada pertence à Aguinaldo Correa Lesma, pecuarista assassinado no ano passado, supostamente por Gerardo Sánches, o Kelai, filho de um conhecido traficante região. Segundo a polícia, os familiares de Lesma eram ameaçados.

O oficial morto no ataque é Pedro Flores. Ele foi baleado no peito, com uma arma calibre 22 milímetros, que segundo o promotor paraguaio é comum entre ladrões de gado. Emílio Lugo, que também participava da operação foi ferido, mas conseguiu fugir do local da emboscada.

Jornal Midiamax