Polícia

Padrasto e mãe são condenados a 32 anos de prisão por estupro de criança de 11 anos

Crime ocorreu em 2017 e investigações apontaram que mão foi omissa em relação aos abusos feitos pelo padrasto.

Danielle Errobidarte Publicado em 11/12/2020, às 18h35

Ambos responderão por estupro de vulnerável. (Ilustrativa)
Ambos responderão por estupro de vulnerável. (Ilustrativa) - Ambos responderão por estupro de vulnerável. (Ilustrativa)

Um casal de Brasilândia, distante 382 quilômetros da Capital, foi preso nesta sexta-feira (11) e condenados a 32 anos de prisão pelo estupro de uma criança de 11 anos. O crime ocorreu em 2017 e a vítima foi abusada pelo padrasto. As investigações apontaram que a mãe foi omissa em relação aos crimes.

Os mandados de prisão foram cumpridos pela Polícia Civil e ambos autores responderão por estupro de vulnerável. Em 2017, conselheiros tutelares receberam denúncias de que o padrasto estava abusando da enteada, que na época tinha apenas 11 anos. Ele foi condenado a 20 anos de prisão em regime fechado.

Ao longo das investigações, a polícia também descobriu que a mãe foi omissa em relação aos abusos cometidos pelo padrasto da vítima e, devido a isso, também foi denunciada e condenada por estupro de vulnerável. A mulher pagará pena de 12 anos de prisão em regime fechado.

O padrasto ainda responde por outro processo de estupro de vulnerável, que ainda está sendo investigado. O casal já havia perdido a guarda da criança desde o início das investigações. Os dois estão presos provisoriamente na Delegacia de Polícia de Brasilândia até serem transferidos para presídio.

Jornal Midiamax