Polícia

Jornalista tem moto furtada e recebe pedido de R$ 800 por ‘resgate’

O jornalista e artista sul-mato-grossense Tero Queiroz, de 24 anos, teve a moto Honda CG 150 Job furtada no início da noite desta segunda-feira (28), nas proximidades do Shopping Campo Grande. O crime ocorreu enquanto ele estava em uma lotérica para apostar na Mega Sena da Virada. No entanto, suspeitos entraram em contato e pediram […]

Renan Nucci Publicado em 29/12/2020, às 15h20 - Atualizado em 30/12/2020, às 09h03

Imagem mostra Tero em sua moto usada para todos os 'corres'. Foto: Reprodução
Imagem mostra Tero em sua moto usada para todos os 'corres'. Foto: Reprodução - Imagem mostra Tero em sua moto usada para todos os 'corres'. Foto: Reprodução

O jornalista e artista sul-mato-grossense Tero Queiroz, de 24 anos, teve a moto Honda CG 150 Job furtada no início da noite desta segunda-feira (28), nas proximidades do Shopping Campo Grande. O crime ocorreu enquanto ele estava em uma lotérica para apostar na Mega Sena da Virada. No entanto, suspeitos entraram em contato e pediram R$ 800 para acertar a devolução.

Tero explicou que havia estacionado na Rua Oceano Atlântico, em frente à Praça das Águas, na Chácara Cachoeira, e seguiu para uma lotérica dentro do shopping. Quando retornou, constatou que a moto havia desaparecido. Segundo ele, o veículo era usado para lazer e trabalho, e estava com ele há cerca de 6 anos. 

“Essa motoca é a única que tive até hoje, adquiri aos 18 anos. Era uma moto de trampo, viagem, servia pra tudo”, lamentou ele, lembrando que ela estava quitada. “Custou em torno de R$ 4 mil na época, paguei todas as dívidas”. Após o ocorrido, Tero registrou boletim de ocorrência na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) do centro. Além disso, comunicou a amigos e conhecidos, na tentativa de descobrir o paradeiro da CG.

Surpreendentemente, na manhã desta terça-feira (29) ele recebeu telefonema de um indivíduo que se passava pelo dono de um desmanche, e alegava ter comprado o veículo autor do furto. O suposto comerciante pedia R$ 800 para devolver, justificando que não poderia ficar no prejuízo.

Eles conversaram e o suspeito disse que mandaria um funcionário entregar a moto assim que tivesse a confirmação do pagamento. No entanto, não houve acordo. Tero disse que tem muitos amigos e que os suspeitos tiveram conhecimento do telefone dele em razão do compartilhamento em massa da ocorrência. O caso é investigado.

Jornal Midiamax