Polícia

Fotógrafo acusado de assédio é investigado e deve ser ouvido em delegacia

Um fotógrafo acusado de assédio, de praticar atos libidinosos, contra uma jovem de 19 anos, em Campo Grande, deve ser ouvido nesta quinta-feira (4) na Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher) pela delegada Anne Karine, que está a frente do caso. De acordo com a delegada, o crime aconteceu em março deste ano, mas […]

Thatiana Melo Publicado em 03/06/2020, às 10h41 - Atualizado às 10h44

Vítima prestou depoimento na Deam (Arquivo, Midiamax)
Vítima prestou depoimento na Deam (Arquivo, Midiamax) - Vítima prestou depoimento na Deam (Arquivo, Midiamax)

Um fotógrafo acusado de assédio, de praticar atos libidinosos, contra uma jovem de 19 anos, em Campo Grande, deve ser ouvido nesta quinta-feira (4) na Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher) pela delegada Anne Karine, que está a frente do caso.

De acordo com a delegada, o crime aconteceu em março deste ano, mas a jovem só teve coragem de fazer a denúncia na noite desta terça-feira (2), após o movimento criado no Twitter com a hashtag Exposed. A vítima contou que foi assediada pelo fotógrafo no seu estúdio quando fazia fotos, sendo que ele a intimidou e passou a mão em seu corpo sem consentimento.

De acordo com a delegada não ouve conjunção carnal, mas o assédio só parou quando amigos da jovem chegaram ao estúdio para buscá-la. A delegada deve ouvir o fotógrafo nesta quinta (4) e pede que para quem tiver sido vítima dele, que não teve o nome divulgado para preservar a vítima, procure a delegacia para registrar um boletim de ocorrência. Anne Karine não passou mais detalhes sobre o caso para não expor a vítima.

#Exposedcg

A hashtag ficou entre os assuntos mais comentados do Brasil na noite de segunda-feira, após várias mulheres, homens, adolescentes e adultos denunciarem casos de estupro e assédio que sofreram em Campo Grande. Os supostos autores dos crimes são amigos, familiares, colegas de trabalho ou de escola, professores, empresários, fotógrafos, entre vários outros

As vítimas devem procurar a delegacia para denunciarem. Podem ser feitos registros em quaisquer delegacias e as vítimas, se preferirem, podem ir até a Depca (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente) ou Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher).

As denúncias podem ser feitas até 20 anos após eles serem cometidos, sendo que no caso de crianças ou adolescentes os crimes prescrevem só 20 anos após a vítima completar 18 anos. Também pode ser feita denúncia pela Delegacia Virtual, caso a vítima não queira procurar pessoalmente uma unidade policial.

Jornal Midiamax