Polícia

Empresário diz que matou invasores ao ver um deles buscando arma no carro

O empresário de 41 anos que reagiu e matou dois invasores na região da Chácara das Mansões na noite do último sábado (28), em Campo Grande, apresentou-se nesta quinta-feira (03), na 5ª Delegacia de Polícia Civil, na Vila Piratininga. Ele alega ter agido em legítima defesa e que um dos rapazes que morreram teria ido […]

Renan Nucci Publicado em 04/12/2020, às 14h27

Local onde os rapazes foram baleados após invasão. Foto: Divulgação
Local onde os rapazes foram baleados após invasão. Foto: Divulgação - Local onde os rapazes foram baleados após invasão. Foto: Divulgação

O empresário de 41 anos que reagiu e matou dois invasores na região da Chácara das Mansões na noite do último sábado (28), em Campo Grande, apresentou-se nesta quinta-feira (03), na 5ª Delegacia de Polícia Civil, na Vila Piratininga. Ele alega ter agido em legítima defesa e que um dos rapazes que morreram teria ido buscar uma arma no carro.

As vítimas foram identificadas como Maykon Cezarin da Silva e Gabriel de Sousa Silva. O advogado Thiago Bunning, que faz a defesa do empresário, relatou que tudo ocorreu por conta de desentendimento no trânsito envolvendo terceiros. No imóvel do empresário ocorria um churrasco, quando um rapaz que lá estava deixou o local e saiu de carro.

Este rapaz teria sido fechado por Maykon e Gabriel, que estavam em um automóvel Fiat Uno, e passou a ser perseguido. Assustado, ele voltou às pressas para a casa do empresário. No entanto, Maykon e Gabriel foram atrás, invadiram o imóvel e o agrediram. O morador interferiu e viu quando um dos agressores foi ao carro para pegar uma arma.

Ele então foi mais rápido, pegou uma pistola 380 e atirou contra os invasores. Maykon foi baleado e morreu ao lado do carro. Gabriel, por sua vez, foi encontrado horas depois, morto a cerca de um quilômetro da residência. “É importante destacar que a arma é registrada”, explicou o advogado. A pistola foi entregue à Polícia Civil e o empresário responde livre por legítima defesa.

Jornal Midiamax