Polícia

Em meio a 130 de gigas de ponografia infantil tinha até vídeos com ‘avatares’

Durante a segunda fase da Operação Deep Caught, deflagrada pela Polícia Civil nesta quarta-feira (12) em Mato Grosso do Sul, foi apreendido aproximadamente 130 gigas de pornografia infantil. Entre o material havia vídeos de sexo explícito entre avatares, personagens fictícios, que se passavam por crianças. Ao todo, quatro pessoas foram presas em flagrante. De acordo […]

Renan Nucci Publicado em 12/08/2020, às 14h49 - Atualizado em 13/08/2020, às 09h12

Operação foi realizada pela Depca (Foto: Arquivo, Jornal Midiamax)
Operação foi realizada pela Depca (Foto: Arquivo, Jornal Midiamax) - Operação foi realizada pela Depca (Foto: Arquivo, Jornal Midiamax)

Durante a segunda fase da Operação Deep Caught, deflagrada pela Polícia Civil nesta quarta-feira (12) em Mato Grosso do Sul, foi apreendido aproximadamente 130 gigas de pornografia infantil. Entre o material havia vídeos de sexo explícito entre avatares, personagens fictícios, que se passavam por crianças. Ao todo, quatro pessoas foram presas em flagrante.

De acordo com a delegada Marília de Brito Martins, da DEPCA (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente), responsável pelas investigações, em Campo Grande foram presos um professor de 38 anos, que também é músico e mora no bairro Ana Maria do Couto, e um autônomo de 29 anos morador na região do Carandá Bosque. Ambos são solteiros.

Em Nova Andradina foi preso um caminhoneiro de 46 anos, casado e com filhos, e em Caarapó foi preso um administrador de empresas de 52 anos, também casado e com filhos. Em Dourados, foi apreendido dispositivo, mas não houve flagrante. A delegada explicou que todos usavam recursos da ‘Deep Web’ (camada da internet que não pode ser acessada pelos mecanismos de buscas tradicionais) para consumir pornografia infantil.

“Eles têm o perfil de quem comete este tipo de crime, que geralmente são pessoas acima de qualquer suspeita”, explicou. Os quatro presos foram ouvidos e serão encaminhados para audiência de custódia. Eles respondem pelos crimes de armazenar e distribuir imagens de sexo entre crianças. Os computadores e celulares apreendidos com 130 gigas de conteúdo serão periciados. 

Jornal Midiamax