Polícia

Criança era estuprada por primo com conhecimento da tia em Aquidauana

A Dam (Delegacia de Atendimento a Mulher) de Aquidauana, a 143 quilômetros de Campo Grande, prendeu um homem de 43 anos e a mãe dele, uma idosa de 61 anos, acusados pelo crime de estupro de vulnerável. A vítima era uma criança de 10 anos de idade, que morava com a tia após o falecimento […]

Dayene Paz Publicado em 07/07/2020, às 20h23 - Atualizado em 08/07/2020, às 08h39

Delegacia de Atendimento à Mulher de Aquidauana. Foto: O Pantaneiro
Delegacia de Atendimento à Mulher de Aquidauana. Foto: O Pantaneiro - Delegacia de Atendimento à Mulher de Aquidauana. Foto: O Pantaneiro

A Dam (Delegacia de Atendimento a Mulher) de Aquidauana, a 143 quilômetros de Campo Grande, prendeu um homem de 43 anos e a mãe dele, uma idosa de 61 anos, acusados pelo crime de estupro de vulnerável. A vítima era uma criança de 10 anos de idade, que morava com a tia após o falecimento da mãe.

A delegada Joilce Silveira Ramos, titular da Dam de Aquidauana, explicou que a idosa foi presa por força do mandado de prisão preventiva pedido pela polícia e deferido pela Justiça, já que também cometeu crime ao omitir os abusos praticados contra a sobrinha. Os estupros ocorriam há cerca de dois anos, desde quando a criança tinha oito anos de idade.

De acordo com a polícia, a criança morava com a mãe em Campo Grande e, desde os oito anos, era responsável pelos afazeres domésticos, inclusive as refeições da casa, pois a mãe era doente e fazia hemodiálise, o que a deixava impossibilitada de executar os serviços de casa.

Após a morte da mãe, a criança foi morar com a tia, na aldeia Lagoinha, em Aquidauana. Depois de um dos abusos, a menina sangrou e foi levada pela tia ao médico.

Na unidade, constatado o abuso, a vítima pediu para falar com o médico. “Tio, eu posso falar sozinha com o senhor?”. Durante a conversa em particular, ela deu pistas de quem seria o autor dos abusos.

O Conselho Tutelar foi acionado e a criança retirada da tia no mesmo dia. Após, o caso foi levado até a Dam e Creas (Centro de Referência em Assistência Social), quando então a menina foi ouvida sobre os fatos e contou detalhes do crime.

A Polícia Civil passou a investigar a denúncia e com provas do crime, pediu a prisão preventiva de mãe e filho, que foi deferida pela Justiça e cumprida nesta terça-feira (07), na aldeia Lagoinha.

Atualmente, a criança faz acompanhamento psicológico para se recuperar do trauma, mora com o irmão e está bem.

Jornal Midiamax