Polícia

Com vodka no carro, advogado que matou PM tentou mentir que estava em carro de aplicativo

Durante a sua tentativa de fuga após o acidente que matou o policial militar Luciano Abel de Carvalho de 25 anos, na Avenida Ministro João Arinos, em Campo Grande, na manhã desta segunda-feira (19), o advogado de 37 anos tentou mentir que estava em um carro de motorista de aplicativo. Uma garrafa de vodka pela […]

Thatiana Melo Publicado em 19/10/2020, às 12h17

(Henrique Arakaki, Midiamax)
(Henrique Arakaki, Midiamax) - (Henrique Arakaki, Midiamax)

Durante a sua tentativa de fuga após o acidente que matou o policial militar Luciano Abel de Carvalho de 25 anos, na Avenida Ministro João Arinos, em Campo Grande, na manhã desta segunda-feira (19), o advogado de 37 anos tentou mentir que estava em um carro de motorista de aplicativo. Uma garrafa de vodka pela metade foi encontrada no carro do advogado.

O celular e uma garrafa de vodka pela metade, que estavam no carro do advogado  foram apreendidos e levados para a delegacia. O advogado que tentou fugir a pé após o acidente acabou preso próximo a Cepol. Foi feiro teste do bafômetro que resultou em 0,79 mg/l. quando tentou fugir, o advogado mentiu para os policiais que estava em um carro de motorista de aplicativo. Mas, diante do nervosismo foi constatado que era ele quem dirigia o carro Cobalt.

O acidente aconteceu por volta das 4 horas da madrugada desta segunda (19), quando, o soldado estava em sua motocicleta na rua Centauria para entrar na Avenida Ministro João Arinos e o carro Cobalt, de cor branca, estava vindo na avenida e quando a motocicleta atravessou houve a colisão. Com a colisão, o corpo do militar foi parar no canteiro central.

O militar morreu no local. O motorista tentou fugir a pé depois de abandonar o veículo no meio da avenida, mas foi alcançado perto da Cepol e preso. O motorista não tinha CNH (Carteira Nacional de Habilitação) e estava embriagado, sendo que o teste do etilômetro deu como resultado 0,79 mg/l.

Jornal Midiamax