Polícia

Chamado para frete, caminhoneiro é mantido refém e veículo levado à Bolívia

Um caminhoneiro de 59 anos foi mantido refém durante três horas em Corumbá, distante 424 quilômetros da Capital, enquanto os bandidos levavam o veículo até Bolívia, na manhã desta sexta-feira (4). O roubo ocorreu após ele ser chamado para fazer um frete até sua cidade natal. Segundo o boletim de ocorrência, três homens e uma […]

Danielle Errobidarte Publicado em 04/12/2020, às 14h47 - Atualizado às 18h27

Imagem ilustrativa
Imagem ilustrativa - Imagem ilustrativa

Um caminhoneiro de 59 anos foi mantido refém durante três horas em Corumbá, distante 424 quilômetros da Capital, enquanto os bandidos levavam o veículo até Bolívia, na manhã desta sexta-feira (4). O roubo ocorreu após ele ser chamado para fazer um frete até sua cidade natal.

Segundo o boletim de ocorrência, três homens e uma mulher participaram do assalto. O motorista foi contratado para fazer a mudança da suposta sogra do contratante, de Corumbá até Vicentina-MS. Ele se identificou como proprietário de um restaurante e ofereceu a quantia de R$ 2400 pelo transporte. Então, ficou combinado que o caminhoneiro esperaria a sogra e esposa do “empresário” em um posto de combustível.

Pouco antes de chegar à cidade, por volta das 6h30, ele recebeu um telefonema e solicitou o endereço da mudança. Ao ser fornecido, ele colocou no GPS e foi informado de que uma prima do contratante iria recebê-lo para indicar o local exato. Assim, chegaram ao local onde o motorista estava estacionado, dois rapazes e uma moça.

Ao indicar o local da residência, o motorista chegou na referida casa e um dos rapazes apontou uma pistola para sua cabeça, ordenou que deitasse no chão e os três amarraram seus pés e mãos com uma corda, levada por um quarto integrante do grupo.

Um dos bandidos pegou o celular da vítima e o questionou sobre o rastreador do caminhão. Em seguida, colocou o motorista para falar ao telefone com o suposto contratante do frete, que disse que “se tivesse algum problema e não conseguisse atravessar o caminhão por conta do rastreador, a família da vítima teria problemas”.

O caminhoneiro permaneceu amarrado durante aproximadamente três horas e, às 9h30, foi avisado de que os bandidos já haviam conseguido atravessar o caminhão para a Bolívia, país vizinho à cidade de Corumbá. Logo após, ordenaram que ele permanecesse por mais meia-hora no imóvel e que, passado o tempo, poderia ir embora.

Ao sair do cativeiro, a vítima pediu socorro em uma casa ao lado, onde solicitou um celular emprestado e entrou em contato com sua família. Em seguida, registrou boletim de ocorrência na 1ª DP (Delegacia de Polícia) de Corumbá. O caminhoneiro fez a descrição dos bandidos e afirmou não ter sofrido agressões.

Jornal Midiamax