Polícia

Fronteira: Carros queimados há dois dias seriam de sobrinho de Fahd e funcionário de cassino

Autoridades do Paraguai afirmam que os dois carros encontrados carbonizados na manhã de terça-feira (24), em Pedro Juan Caballero, na fronteira com o município sul-mato-grossense de Ponta Porã, a 346 quilômetros de Campo Grande, seriam de dois dos quatro rapazes encontrados executados em uma cova na manhã desta quinta-feira, no país vizinho. ‘Guerra’ iminente fez […]

Renan Nucci Publicado em 26/11/2020, às 15h47 - Atualizado às 16h42

Foto: ABC Color
Foto: ABC Color - Foto: ABC Color

Autoridades do Paraguai afirmam que os dois carros encontrados carbonizados na manhã de terça-feira (24), em Pedro Juan Caballero, na fronteira com o município sul-mato-grossense de Ponta Porã, a 346 quilômetros de Campo Grande, seriam de dois dos quatro rapazes encontrados executados em uma cova na manhã desta quinta-feira, no país vizinho. ‘Guerra’ iminente fez com que forças de segurança de Mato Grosso do Sul intensificassem policiamento.

Conforme apurado, os veículos destruídos eram um Toyota Etios branco, com placas do Paraguai, e um Polo azul, com placas de Ponta Porã. Já as vítimas foram identificadas como Riad Salem, Felipe Bueno, Muriel Correia e Gustavo Torales. Riad e Muriel são sobrinhos de Fadh Jamil, conhecido como o Rei da Fronteira. O Polo pertencia ao pai de de Muriel e estava com o jovem. Já o Etios era de Gustavo, funcionário do cassino que é de propriedade de Fahd Jamil.

A suspeita é de que os quatro tenham sido sequestrados no cassino, torturados e só depois executados. A gerente do estabelecimento chegou a ser presa nesta quinta, por não ter relatado o sequestro à polícia. Por este motivo, há suspeita de que ela esteja ligada às execuções, mesmo que indiretamente. Não é descartado que os quatro foram mortos por vingança, após estarem com outro familiar de Fahd envolvido em uma briga.

Tal familiar esteve em uma festa de aniversário, acompanhado dos quatro rapazes, quando se desentendeu com outro criminoso. Este criminoso, por sua vez, decidiu retaliar e supostamente cometeu o sequestro e matou todos. Outra possibilidade é sobre uma investida do PCC (Primeiro Comando da Capital), facção que tenta dominar o tráfico na região e teria matado os rapazes a fim de enfraquecer o poder de Fahd.

Jornal Midiamax