Polícia

Babá alega ter sofrido racismo em cinema de Campo Grande e procura delegacia

Uma moradora procurou a delegacia nesta sexta-feira (24) para denunciar um suposto caso de discriminação e racismo ocorrida na bilheteria de cinema localizado em Shopping Center na Avenida Afonso Pena, em Campo Grande. A vítima é babá de duas meninas e foi impedida de comprar os bilhetes e de entrar na sala de cinema pois […]

Mariane Chianezi Publicado em 25/01/2020, às 08h53 - Atualizado em 26/01/2020, às 08h59

Foto: Ilustrativa/Reprodução
Foto: Ilustrativa/Reprodução - Foto: Ilustrativa/Reprodução

Uma moradora procurou a delegacia nesta sexta-feira (24) para denunciar um suposto caso de discriminação e racismo ocorrida na bilheteria de cinema localizado em Shopping Center na Avenida Afonso Pena, em Campo Grande. A vítima é babá de duas meninas e foi impedida de comprar os bilhetes e de entrar na sala de cinema pois ‘não era familiar das crianças’.

Conforme o boletim de ocorrência registrado na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) do Centro, a mulher foi com as meninas comprar os ingressos na quarta-feira (22). Após aguardar na fila, o funcionário da bilheteria disse que ela não poderia comprar os ingressos para as crianças, pois não tinha comprovação familiar e somente os pais poderiam autorizar.

A mãe das meninas foi chamada e mesmo sem precisar comprovar, comprou os ingressos. Logo na entrada, a caminho da sala de cinema, a mulher foi novamente barrada, mesmo estando com os ingressos em mão.

Desta vez, o funcionário disse que somente familiares poderiam acompanhar as crianças no filme e que se ela quisesse assistir a sessão com as meninas, os genitores deveriam autorizar mediante um termo.

Após todo o constrangimento, a mãe das crianças foi novamente chamada e solicitou o reembolso e, como tinha horário para chegar no trabalho, autorizou que a babá das filhas pegasse o valor de R$ 52. O caixa foi entregar o dinheiro, mas o gerente interveio e disse que os ingressos seriam somente estornados via cartão de crédito e somente para a mãe das meninas.

No dia seguinte, o pai das crianças foi ao cinema pedir o estorno e questionou outras pessoas na fila se os caixas da bilheteria pediam documentação e todos negaram. Por fim, o homem também não conseguiu o dinheiro de volta e a babá foi até a delegacia registrar o boletim de ocorrência. O caso será investigado.

A reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa do cinema em questão e aguarda posicionamento.

Jornal Midiamax