Polícia

Integrando quadrilha de roubo a bancos, dois brasileiros são presos na Bolívia

Acusados de integrar uma quadrilha de roubo a bancos, Clayton Alves marcos e Douglas Gabriel Tinalo, foram presos nesta segunda-feira (1º), em Santa Cruz de La Sierra, cidade boliviana. De acordo com o Diário Corumbaense, os dois foram presos junto com três paraguaios e um boliviano, em uma casa que teria sido alugada para planejar […]

Ana Paula Chuva Publicado em 01/04/2019, às 16h47

Foto: Reprodução/ El Deber
Foto: Reprodução/ El Deber - Foto: Reprodução/ El Deber

Acusados de integrar uma quadrilha de roubo a bancos, Clayton Alves marcos e Douglas Gabriel Tinalo, foram presos nesta segunda-feira (1º), em Santa Cruz de La Sierra, cidade boliviana.

De acordo com o Diário Corumbaense, os dois foram presos junto com três paraguaios e um boliviano, em uma casa que teria sido alugada para planejar o roubo de uma agência bancária.

Armando Vargas Navarro, foi o primeiro a ser preso. No celular dele, os policiais puderam constatar o plano. Ele seria procurado há cinco anos, no Paraguai por envolvimento no roubo de R$ 2 milhões de dólares após ataque a um carro forte.

Conforme o comandante de Polícia, Igor Echegaray, Armando, apontado como “cabeça” da quadrilha, pode estar envolvido também no ataque a um carro forte da Brinks, que seguia em direção à fronteira com Corumbá, interceptado em 2017, sendo roubada a mesma quantia em dinheiro. Os brasileiros foram apontados também como suspeitos no crime.

Clayton Alves Marcos e Douglas Gabriel Tinalo Monteiro, de acordo com investigação da Polícia Boliviana, são procurados no Brasil por roubo de veículos e outros crimes.

Os outros presos foram os paraguaios Hugo Alfredo Franco Fernández e Idalino Esquivel Quintana e o boliviano David Valencia Ríos, todos procurados por narcotráfico.

Eles estavam em uma casa que funcionava como centro de operação da quadrilha. Também foram apreendidos dois veículos, 5.050 dólares, arma de fogo, sete telefones celulares e duas máscaras.

Jornal Midiamax