Polícia

Indiciadas mulheres que asfixiaram e atearam fogo em idosa

A Polícia Civil indiciou Karina Beatriz Ferreira de Lima, 45 anos e Sherry Silva Maciel, 35, acusadas da morte da idosa Lídia Ferreira de Lima, 61 anos, em fevereiro de 2017. O corpo carbonizado foi localizado as margens da MS-162 em Maracaju – a 162 km de Campo Grande. As investigações tiveram início sem a devida […]

Dayene Paz Publicado em 14/06/2019, às 11h25

Foto: Arquivo / Maracaju Speed.
Foto: Arquivo / Maracaju Speed. - Foto: Arquivo / Maracaju Speed.

A Polícia Civil indiciou Karina Beatriz Ferreira de Lima, 45 anos e Sherry Silva Maciel, 35, acusadas da morte da idosa Lídia Ferreira de Lima, 61 anos, em fevereiro de 2017. O corpo carbonizado foi localizado as margens da MS-162 em Maracaju – a 162 km de Campo Grande. As investigações tiveram início sem a devida identificação do corpo, mas após um ano, um familiar realizou confronto das impressões digitais e foi possível identificar a vítima.

Diante das provas da investigação, a polícia representou pela prisão de Karina e Sherry, que foram cumpridas entre os meses de abril e maio de 2019, com o desfecho do caso e conclusão do inquérito pela delegacia de Maracaju. Elas foram interrogadas e nos depoimentos imputam uma a outra a autoria do crime.

Durante o trabalho policial foi apurado que a vítima estaria passando por problemas psicológicos devido a uma doença que enfrentava, aliada a dor que sentia com a morte da mãe. Foi nessa época, em um centro religioso, que a idosa conheceu Karina Beatriz, que aproveitou da fragilidade mental da vítima e a levou para sua casa, na cidade de Sidrolândia. A mulher sabia que a idosa possuía uma aposentadoria e era herdeira de um espólio.

Com o tempo, Karina ganhou a confiança de Lídia, a passou a cuidar dos assuntos particulares da vítima, como transações e saques bancários. A vítima morou na residência da Karina por mais de dois anos e era mantida trancada em um quarto, que ficava nos fundos da casa.

A história mudou quando a família de Lídia ingressou com ação de interdição. Karina previu a possibilidade de ser responsabilizada por vários crimes e iniciou seu plano para matar a vítima. Ela chegou a relatar para a família, que a idosa tinha namorado em Maracaju e estaria indo morar com ele.

Após, Karina e Sherry deram uma substância que fez a vítima dormir, e em seguida a enrolaram em plástico filme, o que levou a vítima a morte por asfixia. Depois, colocaram o corpo no banco da frente do carro de Karina e percorreram vários quilômetros pela rodovia até chegar próximo a Maracaju. Elas desceram o corpo do veículo, jogaram substância inflamável e atearam fogo para dificultar a identificação.

Jornal Midiamax