Polícia

Escritório de fotógrafo pega fogo no interior de MS e polícia investiga motivo

No final da noite desta sexta-feira (3), o escritório de um fotógrafo na cidade de Brasilândia, que fica distante a 383 quilômetros de Campo Grande, acabou pegando fogo e destruiu todo o interior do local que continha móveis e alguns aparelhos eletrônicos de uso profissional. Ainda não se sabe o incêndio foi acidental ou criminal. […]

Vinícius Costa Publicado em 04/05/2019, às 20h50

(Foto: Divulgação/Brasilândia News)
(Foto: Divulgação/Brasilândia News) - (Foto: Divulgação/Brasilândia News)

No final da noite desta sexta-feira (3), o escritório de um fotógrafo na cidade de Brasilândia, que fica distante a 383 quilômetros de Campo Grande, acabou pegando fogo e destruiu todo o interior do local que continha móveis e alguns aparelhos eletrônicos de uso profissional. Ainda não se sabe o incêndio foi acidental ou criminal.

De acordo com o site Brasilândia News, o fotógrafo Márcio Sicilio foi avisado por uma vizinha que teria ligado enquanto o profissional estaria em viagem de trabalho para Santa Rita do Pardo e que teria ligado para o Corpo de Bombeiros alertando que o escritório estava com algumas fumaças e que suspeitava de um incêndio.

O site afirma que a vizinha junto com seu marido, impaciente com a demora do resgaste, abriram a porta para saber se não tinha ninguém dentro do imóvel e que no momento, havia saído uma vasta fumaça e apresentava alguns focos de chamas. A mulher e seu esposo decidiram usar a mangueira para diminuir os focos até a chegada dos bombeiros.

A perda foi total e foi diagnosticado que dentro do recinto haviam pelo menos cinco sofás, duas cadeiras de plástico e uma poltrona estofada, monitor, teclado e mouse de um computador e fundos fotográficos de tecido e fotos de clientes.

Na manhã deste sábado (4), o fotógrafo retornou para o local de trabalho e registrou boletim de ocorrência. A Perícia Técnica de Três Lagoas foi solicitada para colher provas e tentar desvendar o fogo que destruiu o escritório. A Polícia Civil investiga o caso e deve solicitar algumas câmeras de segurança que ficam nas proximidades.

Jornal Midiamax