Polícia

Diretor foi dispensado em meio a investigações da Agepen

O ex-diretor do Presídio de Trânsito de Campo Grande, foi dispensado do cargo em meio as investigações da Agepen-MS (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário do Estado de Mato Grosso do Sul). A dispensa foi publicada em Diário Oficial, nesta quarta-feira (17). Alguns servidores do quadro da Agepen foram afastados por 30 dias, prazo […]

Dayene Paz Publicado em 17/04/2019, às 15h31 - Atualizado às 15h37

None
presidio_de_transito.jpeg

O ex-diretor do Presídio de Trânsito de Campo Grande, foi dispensado do cargo em meio as investigações da Agepen-MS (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário do Estado de Mato Grosso do Sul). A dispensa foi publicada em Diário Oficial, nesta quarta-feira (17).

Alguns servidores do quadro da Agepen foram afastados por 30 dias, prazo que pode ser prorrogado até o término da apuração dos fatos. No dia 12 deste mês, a Agepen designou três servidoras para fazerem parte da comissão processante, que tem 90 dias para apurar os fatos. As investigações correm em sigilo.

Paulo da Silva Godoy já atuou como chefe da Divisão de Contrainteligência da Gisp (Gerência de Inteligência do Sistema Penitenciário) e como diretor da Máxima, após a saída de João Bosco Correia, que esteve na direção por 9 anos na direção, mas foi substituído após denúncias de tráfico de drogas na instituição. Paulo ingressou na agência em 1999 como contratado, se tornando servidor de carreira em 2001, por concurso público.

João Bosco esteve envolvido em uma denúncia feita pelo Jornal Midiamax de um suposto esquema de tráfico de drogas que ocorria na Máxima, por meio da cantina do presídio. Um grupo de presidiários atuava no estabelecimento penal e o então diretor teria total conhecimento dos fatos, além de ter sido apontado como um dos chefes do esquema.

Jornal Midiamax