Polícia

Líder da CUT-MS vai para presídio no RS e defesa pede revogação de prisão

Foi levado para o Presídio Estadual de Canoas

Diego Alves Publicado em 24/01/2018, às 23h50

None

Foi levado para o Presídio Estadual de Canoas

O presidente da CUT-MS (Central Única dos Trabalhadores do Mato Grosso do Sul), Genilson Duarte, foi levado para o Presídio Estadual de Canoas (RS), cidade que fica a 16 quilômetros da capital gaúcha Porto Alegre. Líder da CUT-MS vai para presídio no RS e defesa pede revogação de prisão

O advogado da central, Mário Morandi, disse que já deu entrada no pedido de revogação na 4ª Vara Criminal do TJ-MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul). O advogado acredita que a Justiça irá se pronunciar sobre o pedido até a próxima sexta-feira (26). 

Ainda segunda a defesa, Genilson teria sido intimado para audiências, porém não compareceu, por não saber da intimação a respeito de um processo envolvendo a CUT-MS.

Prisão

Genilson foi preso pela PRF (Polícia Rodoviária Federal) e Brigada Militar na manhã desta quarta-feira (24), enquanto viajava para Porto Alegre (RS) onde acompanharia o julgamento do ex-presidente Lula, ocorrido no TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região). 

Além do mandado de prisão, o ônibus alugado pela CUT-MS era clandestino e estava com as licenças da ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) vencidas. Além de Genilson, 46 militantes deixaram Campo Grande na tarde de terça-feira (23) e foram abordados em Montenegro, região  Metropolitana de Porto Alegre.

No ônibus, os policiais verificaram que o presidente da CUT-MS possuía um mandado de prisão em aberto desde o ano passado, por desobediência.

O veículo foi apreendido, e os passageiros foram encaminhados para outros veículos que se deslocavam para Porto Alegre. Já Genilson foi conduzido para a delegacia de Montenegro.

Segundo a assessoria de imprensa da CUT-MS, Genilson não sabia sobre o mandado de prisão em aberto contra ele, pois não foi encontrado em casa quando seria notificado, e ficou sabendo apenas na barreira de fiscalização no RS através dos policiais.

Jornal Midiamax