Polícia

Vila Popular: Menina de 11 anos encontra avó morta com travesseiro no rosto

Vítima teria dinheiro para receber

Thatiana Melo Publicado em 08/04/2017, às 14h36

None
edit2.jpg

Vítima teria dinheiro para receber

O corpo de Maria Celedonia Gutierrez de 68 anos foi encontrado no fim da manhã deste sábado (8), na Vila Popular, em Campo Grande, pela neta de 11 anos. A vítima tinha vários hematomas no rosto e estava com um travesseiro na face.

No fim da manhã ao notar a ausência da mãe, a filha, Keith Gutierrez de 29 anos pediu para que a filha de 11 anos fosse chamar a avó, momento em que a criança ao entrar na residência da avó, que fica nos fundos, percebeu que ela não se mexia em cima da cama e estava gelada.

A menina gritou pela mãe, que foi ver o que tinha acontecido e encontrou a idosa com um travesseiro em cima do rosto e vários hematomas na face. Em seguida a costureira ligou para o irmão, o pedreiro de 50 anos, Júlio César Gutierrez, que ao chegar à residência acionou a polícia.

O 1º Batalhão da Polícia Militar chegou ao local e acionou a perícia da Policia Civil depois da constatação da morte pelo Corpo de Bombeiros. De acordo com a filha de Maria, a mãe era cadeirante, por causa, de uma paralisia do lado esquerdo do corpo e não teria como se defender das agressões.

Keith afirmou que viu a mãe pela última vez às 19 horas de sexta-feira (8), já que a idosa tinha o costume de dormir cedo e que não ouviu barulhos durante a noite. O filho da vítima disse que dias atrás a mãe teria recebido uma carta avisando sobre um dinheiro, que teria direito a receber de um consórcio que a idosa pagava.

A vítima teria comentado com a vizinhança sobre o valor de pouco mais de R$ 2 mil, que receberia, por isso, o filho acredita que a mãe possa ter sido assassinada. Segundo informações, os possíveis autores teriam entrado pela janela da casa e saído pela porta da frente trancando a residência. As chaves foram encontradas pelo neto de 4 anos da vítima jogadas em frente ao imóvel.

Segundo o filho de Maria, a mãe teria comentado dias atrás com ele que tinha uma pessoa, que devia a ela o valor de R$ 400, e que estaria com a carteira de trabalho do devedor que iria buscar o documento para fazer o saque do FGTS e quitar a dívida com a idosa. Ainda de acordo com o filho, antes de sofrer o AVC (Acidente Vascular Cerebral), a idosa vendia drogas.

Ainda de acordo com informações, o crânio da idosa aparentemente foi quebrado, por causa das agressões.  O delegado Alberto Miranda da Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) do Centro está no local.

(Matéria editada às 12:14 para acréscimo de informações)

Jornal Midiamax