Polícia

Líder do PCC no Paraguai, comparsa de Pavão será extraditado para o Brasil

'Embaixador' do PCC

Diego Alves Publicado em 20/01/2017, às 01h31

None
jarves-pavao-20170119-01-copy_1.jpg

'Embaixador' do PCC

O traficante paraguaio Carlos Antonio Caballero, o Capillo, considerado um dos maiores líderes do PCC no país vizinho será extraditado para o Brasil pela Justiça do Paraguai. Segundo o site ABC Color, Capillo será levado para São Paulo (SP). Carlos Antonio Caballero foi preso em 2009 ao lado de seu comparsa, o brasileiro Jarvis Chimenes Pavão, em uma operação da Secretaria Nacional Antidrogas em Pedro Juan Caballero. 

Assim como Pavão, que no ano passado foi acusado de arquitetar um plano para matar o presidente paraguaio Horacio Cartes de dentro da prisão, Capillo também tinha o título de “embaixador” do PCC. Pavão também era suspeito de ter sido o mandante da morte do traficante paraguaio Jorge Rafaat Toumani, porém ele foi absolvido do crime pelo juiz federal Odilon de Oliveira.

Segundo o Ministério Público do Estado de São Paulo, Capillo foi responsável pela entrada do PCC no Paraguai. O traficante teria estabelecido relações diretas com os traficantes bolivianos que usam o Paraguai como base. Assim, o PCC inciou a consolidação doprimeiro cartel regional, o Narcossul, que teria sido fundado em junho passado.
Capillo então passou a fazer parte do PCC quando cumpriu pena por tráfico em São Paulo. Em liberdade, ele foi enviado pela facção para atuar como “embaixador” junto aos fornecedores de armas de drogas da Bolívia e passou atuar ao lado de Pavão onde ambos centralizaram as operações de envio de drogas para o Brasil.

De acordo com autoridades paraguaias, o próximo a ser extraditado será Jarvis Pavão. O brasileiro, que também tem cidadania paraguaia, luta para não vir para o Brasil, onde cumprirá sua pena em uma prisão federal.(Matéria alterada para acréscimo de informações)

Jornal Midiamax