Polícia

Polícia busca motivação da execução de Alceu Bueno, diz secretário de Segurança

Ainda não suspeitos

Midiamax Publicado em 22/09/2016, às 19h43 - Atualizado em 23/09/2019, às 11h37

None
alceu_bueno_1.jpg

Ainda não suspeitos

A Sejusp (Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública) acompanha as investigações da execução do ex-vereador Alceu Bueno. O secretário José Carlos Barbosa, o Barbosinha, afirmou na tarde desta quinta-feira (22), que além do trabalho na identificação dos autores, a polícia busca a motivação para o crime.

O secretário destacou o trabalho da perícia, que mesmo com o corpo queimado identificou as digitais. Ainda conforme Barbosinha, a polícia trabalha para identificar os autores e a motivação da execução de Alceu Bueno.

“As investigações continuam para achar a autoria do crime. Ainda não suspeitos, mas muitas especulações”, disse Barbosinha.

No processo de identificação, a Polícia Civil vai usar quebra de sigilo telefônico e imagens das câmeras de segurança localizadas na região do Condomínio Beirute para desvendar o assassinato. O celular do ex-vereador ficou derretido e não pode ser aproveitado na análise da perícia. Por isso, será feito o pedido de quebra, para ver se a vítima recebeu alguma ligação suspeita, ou ameaças.

CASO

O corpo do ex-político foi encontrado carbonizado e com sinais de estrangulamento na manhã desta quarta-feira (21), no Jardim Veraneio. Desde o momento em que o homem foi encontrado, por volta das 7 horas desta manhã, a polícia já divulgava que fortes indícios indicam que o corpo era do ex-vereador.

Um celular idêntico ao dele foi encontrado ao lado dos restos mortais e além de pinos de metais no braço do cadáver, iguais aos que o político tinha, como resquício de um acidente de motocicleta. Também foi encontrado, junto ao corpo carbonizado, distintivo semelhante ao que Bueno usava quando parlamentar, informações confirmada pela família dele. A confirmação, foi veio no fim da tarde, através da identificação das digitais.

José Alceu Padilha Bueno foi eleito em 2012 e renunciou em 2015 depois de ter sido flagrado em um motel com duas adolescentes, com menos de 18 anos. Ele foi indiciado por ‘favorecimento à prostituição ou de outra forma de exploração sexual de vulnerável’. Imagens de um vídeo no qual o ex-vereador aparecia com as garotas no motel chegaram a ser divulgadas à época.

Bueno alegou que era vítima de um esquema de extorsão, assim como o ex-deputado estadual Sérgio Assis, também flagrado no motel com as adolescentes. Três pessoas, Fabiano Viana Otero, Luciano Pageu e o ex-vereador Robson Martins, foram presos pelo crime.

Jornal Midiamax