Polícia

Do inferno ao céu: menino que foi torturado tem vida feliz com nova família

Crime aconteceu em fevereiro de 2016

Thatiana Melo Publicado em 21/12/2016, às 17h22

None
menino_6.jpg

Crime aconteceu em fevereiro de 2016

Bola, bicicleta, brincadeiras de esconde-esconde,  corriqueiras para qualquer criança, mas que, durante muito tempo não estavam presentes na vida de um pequeno, de 4 anos, que foi torturado pelos tios em rituais de magia negra, em Campo Grande.

A criança foi resgatada no dia 23 de fevereiro depois de uma visita de assistentes sociais, que constataram os machucados no menino. Ele tinha lesões nas costas, pescoço, a unha do dedão arrancada e havia sido vítima de queimaduras com água quente, despejada sobre a cabeça.

Assustado, o menino calado depois de tanta crueldade deu lugar a uma criança sorridente durante o tratamento feito no hospital Santa Casa da Capital. Enfermeiras que cuidaram da criança se emocionaram quando ouviram dele que, quando crescesse, queria ser um “bom menino”.

O delegado responsável pelo à época, Paulo Sérgio Lauretto, da Depca (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente), disse que nunca vai esquecer a imagem da criança, “É um caso que sempre vou lembrar. Nunca vi nada com tanta violência”, fala.

“Tento criar mecanismos de defesa para que os casos não interfiram no meu trabalho. Todos os casos que atendi até hoje foram chocantes”, afirma. Lauretto ainda fala que não teve mais notícias da criança, mas a última informação que teve era de que o menino estava morando com uma família fora do Estado.

Rituais de magia negra

O menino foi resgatado no dia 23 de fevereiro da casa dos supostos tio, em Campo Grande, depois de uma visita de uma assistente social, que constatou machucados na criança. Ele tinha várias lesões pelo corpo e uma unha arrancada.

A criança foi levada para o hospital Santa Casa da cidade e as primeiras informações eram de que perderia a visão, já que tinha uma úlcera no olho esquerdo. Mas, depois do tratamento conseguiu se recuperar. Depois de receber tratamento clínico por meio de curativos e uso de antibiótico e passar por algumas cirurgias a criança recebeu alta médica no dia 9 de março.

Em depoimento, a suposta tia da criança disse que ouvia vozes, e por isso, praticavam os rituais que acabavam em tortura. Quatro pessoas foram presas. O inquérito civil que investigou a tortura ao menino tinha 700 páginas.

Dados

De acordo com dados da Depca (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente) em 2013 a 2015 foram registrados 548 casos de abusos contra crianças e de janeiro a outubro de 2016 foram 178 casos.

Jornal Midiamax