Polícia

Ajuda da igreja não conseguiu salvar homem que foi assassinado em quitinete

Teria envolvimento com drogas

Renata Portela Publicado em 04/09/2016, às 13h06

None
_mg_0086.jpg

Teria envolvimento com drogas

A morte de Adriano Cardoso da Silva, de 33 anos, comoveu familiares, amigos e também o pastor da igreja que o resgatou há aproximadamente seis meses. Ele era morador de rua e, apesar da ajuda, não conseguiu abandonar o mundo das drogas. Adriano foi assassinado a tiros na noite de sábado (3), no Jardim Tarumã.

O pastor Evanildo contou ao Jornal Midiamax que acompanhou a família no Imol (Instituto de Medicina e Odontologia Legal) e e na funerária. Ele lembrou que Adriano era morador de rua e vivia embaixo da ponte do Guanandizão e foi resgatado no início do ano, quando entrou para a igreja.

“Cuidamos dele e o recolhemos por aproximadamente 5 ou 6 meses, mas depois ele se afastou por conta da abstinência das drogas”, disse o pastor. Ainda de acordo com o pastor, Adriano se afastou da igreja há aproximadamente 50 dias. Os familiares e amigos não têm dúvidas de que o crime esteja relacionado com as drogas, mas o caso ainda é investigado pela polícia.

Homicídio

Equipe da Polícia Militar foi acionada por volta das 23 horas para ir até o Tarumã, onde ocorreu o homicídio. No local, os militares conversaram com um morador da região e ele contou que estava em casa quando ouviu os 5 tiros e imediatamente ligou para o 190.

Ainda conforme o homem, os tiros ocorreram na quitinete que faz divisa com os fundos da casa dele. Os militares foram até o local, onde também compareceu uma equipe do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência). Adriano foi encontrado caído sobre um colchão e o médico da unidade atestou o óbito.

O pai da vítima também esteve no local e fez o reconhecimento do filho. Foi constatado pela Perícia que Adriano tinha perfurações de tiro no braço esquerdo, braço direito, tórax, têmpora e queixo.

Jornal Midiamax