Polícia

Vizinhos de homem que morreu atropelado denunciam escuridão

Irresponsabilidade de motoristas também chama a atenção

Arlindo Florentino Publicado em 05/11/2015, às 11h54

None
img-20151105-wa0015.jpg

Irresponsabilidade de motoristas também chama a atenção

Quem mora no Jardim Panorama, região oeste da cidade, saída para Três Lagoas, notadamente na Rua Prudentópolis, onde na noite de ontem (4) Anderson Lima da Siva, de 36 anos, morreu atropelado, convive com a escuridão e a falta de segurança no trânsito.

Um casal que pediu para não ser identificado e que está providenciando a mudança para uma casa no bairro, reclama também da falta de cuidado dos motoristas.

A mulher, de 25 anos, afirma que já presenciou veículos em alta velocidade, embora o local seja uma curva. “Aqui os motoristas não têm respeito nenhum, ou não sei se não sabem dirigir mesmo. Aqui é uma curva, e está sempre com muita areia sobre a pista. Mesmo assim o pessoal exagera na velocidade”, afirma.

Quanto à falta de iluminação, ela mostra o poste em frente da sua casa que está sem lâmpada. “Isto aqui à noite é um breu. O vizinho instalou uma lâmpada mas nem sempre é ligada”, completou. Isto reforça a possibilidade levantada pelo delegado Enilton Zalla, da Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) de que o motorista que atropelou Anderson, pode nem ter percebido o acidente por causa da escuridão.

Por outro lado, Anderson, que morava a aproximadamente 200 metros do local do atropelamento foi descrito como um homem trabalhador e com muitas amizades no bairro.

“Ele era muito bom, ajudava as pessoas e trabalhava em fazenda ou fazendo bicos aqui pelo bairro. Todo mundo gostava dele. Ele sempre vinha na minha casa e ficávamos um bom tempo batendo papo”, afirmou o aposentado João Romero dos Santos, de 74 anos de idade.

Jornal Midiamax