Polícia

Segurança Máxima ativa módulo de saúde para detentos nesta quarta

Mais de 4,2 mil detentos serão beneficiados 

Midiamax Publicado em 16/06/2015, às 16h38

None
fachada_modulo_saude_janeiro-672x372.jpg

Mais de 4,2 mil detentos serão beneficiados 

Mais de seis meses depois de ser inaugurado, o Módulo de Saúde do Complexo Penitenciário de Campo Grande, localizado no Jardim Noroeste, será ativado nesta quarta-feira (17). A unidade é destinada aos atendimentos médicos e odontológicos de média complexidade e irá beneficiar mais de 4,2 mil detentos dos quatro estabelecimentos penais da região.

O prédio construído com recursos federais e estaduais precisou de adequações estruturais e de funcionamento mesmo depois de ser inaugurado. De acordo com a Apegen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário), com o Módulo de Saúde “serão reduzidos o tempo de espera dos internos por atendimento, bem como, as despesas com combustível, viaturas e pessoal, decorrentes escoltas policiais”.

No local funcionarão consultórios médicos, odontológicos, de psicologia, farmácia, coleta de sangue, assistência psicossocial, higienização, além de salas de utilidades e apoio administrativo.

Os atendimentos serão efetuados por meio da PNAISP (Política Nacional de Atenção Integral à Saúde das Pessoas Privadas de Liberdade no Sistema Prisional), com equipes híbridas formadas por profissionais da Agepen, SES (Secretaria de Estado de Saúde) e Sesau (Secretaria Municipal de Saúde).

Segundo o diretor-presidente da Agepen, Ailton Stropa Garcia, com a ativação oficial, o módulo será operacionalizado de forma gradativa. “Nossa preocupação é colocar a estrutura em funcionamento, no entanto, diante da dificuldade de encontrarmos profissionais para trabalhar no local, as especialidades serão disponibilizadas conforme as possibilidades”, explica.

O Módulo de Saúde será inaugurado às 10 horas desta quarta-feira com a presença do secretário da Sejusp (Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública), Sílvio Cesar Maluf, do secretário da Sesau, Jamal Salem e do diretor-presidente da Agepen. 

Jornal Midiamax