Polícia

Policial que disparou ‘acidentalmente’ em jovem já havia matado pitbull a tiros

O cachorro foi morto no mesmo local do crime 

Midiamax Publicado em 05/11/2015, às 22h38

None
img-20150623-wa0086.jpg

O cachorro foi morto no mesmo local do crime 

O policial aposentado Luiz Carlos Ortiz de 58 anos, suspeito de ter causado a morte de Marcelo Augusto Matsubara de 24 anos no último sábado (31) depois de um disparo ‘acidental’, já havia matado um pitbull a tiros no mesmo local do crime em junho deste ano. Na ocasião, o suspeito alegou legítima defesa.

O fato aconteceu no dia 23 de junho, na Rua 13 de Junho, no Bairro São Francisco. Na data, o policial contou para o Jornal Midiamax que o cachorro, de aproximadamente um ano, teria invadido a casa dele e atacado sua esposa e mãe, de 78 anos, que tem problemas de saúde.

Ele afirmou que colocou o animal para fora da residência, mas neste momento o cachorro o atacou e por isso reagiu com o disparo. Os proprietários do pitbull e aos moradores da região afirmaram que ele era dócil.

Minutos antes de ser morto, o animal e outro pitbull fêmea, haviam fugido da casa dos donos, que estava passando por reforma. Alguns populares viram os cachorros e os seguraram em um lava-jato do bairro, mas o macho acabou fugindo novamente, parando em frente à casa do policial.

Na época, populares relataram que não era a primeira vez que Ortiz matava um cachorro a tiros. Ainda assim, o caso foi registrado como omissão de cautela contra os donos do animal, que o teriam deixado solto os cachorros.

Homicídio

Marcelo Augusto foi morto a tiro na Rua 13 de Junho, nas proximidades do cruzamento com a Rua Júlio Dittmar, Bairro São Francisco. Na versão do policial, a vítima e um amigo observavam a residência de sua mãe e por isso decidiu realizar a abordagem aos indivíduos. Segundo o boletim de ocorrência, na ação o policial sacou a arma porque a dupla foi para cima dele.

Neste momento, um dos homens fugiu, enquanto Marcelo teria continuou a avançar. Ortiz afirmou que a vítima tentou tirar a arma de sua mão, quando acidentalmente ocorreu o disparo, atingindo e levando a vítima à morte.

Conforme a perícia feita no local, Marcelo foi morto com um tiro nas costas. O caso foi registrado como morte a esclarecer e será investigado pela delegacia de área.

Jornal Midiamax