Polícia

Morte de policial ferido por detendo deve ser registrada como a esclarecer

Oficial morreu depois de ser agredido por detento

Kemila Pellin Publicado em 25/11/2015, às 23h29

None
img-20151125-wa0114.jpg

Oficial morreu depois de ser agredido por detento

Fontes ligadas a Santa Casa de Campo Grande relataram que a morte do investigador Anderson Garcia da Costa, 37 anos, deve ser registrada como caso a esclarecer pelo corpo médico, uma vez que não haveriam lesões no corpo do policial, que indicassem uma possível causa de óbito.

Segundo as informações, Anderson apresentava um ferimento na cabeça, que ainda seria examinado pelos legistas, mas não deveria ser associado a morte, que poderia estar ligada a algum problema cardíaco.

O delegado geral da Polícia Civil, Roberval Maurício Cardoso Rodrigues, comentou que há suspeitas de que Anderson teria anemia hemolítica e por isso as lesões causadas na agressão teriam sido agravadas.

Entenda o caso

Anderson foi agredido por um preso da Delegacia de Polícia Civil de Pedro Gomes, cidade a 296 quilômetros de Campo Grande, na manhã desta quarta-feira (25), no momento em que foi até uma cela atender o interno.

O oficial reagiu as agressões, atirando no detento, que teve ferimentos na perna. Os dois foram levados para o Hospital da cidade, e Anderson foi transferido para o Hospital Regional de Coxim. Como o quadro se agravou, ele precisou ser transferido novamente para a Capital, mas morreu por volta das 16h15 a caminho da Santa Casa.

Jornal Midiamax