Polícia

Delator de escândalo sexual com políticos deve deixar a prisão fechada

Ele deve ser beneficiado pela colaboração

Renata Portela Publicado em 01/10/2015, às 12h58

None
fabiano_arlindo.jpg

Ele deve ser beneficiado pela colaboração

Fabiano Viana Otero, preso desde maio deste ano sob suspeita de ser o mentor do escândalo sexual envolvendo os ex-vereadores Alceu Bueno e Robson Martins e o ex-deputado estadual Sérgio Assis, pode ir para prisão domiciliar ainda nesta quinta-feira (1º). Fabiano deve ser beneficiado pela delação premiada que, segundo o advogado Amilton Ferreira de Almeida, pode render frutos para a investigação policial do caso.

Segundo o advogado, o Ministério Público opinou favoravelmente ao caso, que deve ser julgado ainda nesta quinta-feira. De acordo com Hamilton, houve um acordo da delação, para que Fabiano pudesse ser beneficiado após prestar os depoimentos. Ele iria para a prisão domiciliar, mas o prazo para que isso ocorresse já expirou. “Havia uma data prevista para ele sair, mas já venceu. A delação premiada, que na verdade se chama ‘colaboração premiada’, vai render resultados favoráveis para meu cliente e para a investigação”, diz.

Hamilton lembra que este foi o primeiro caso de delação premiada em Mato Grosso do Sul. “A defesa entende que muitos frutos serão colhidos da delação e o juiz vai conceder os benefícios”, afirma. Ele ainda diz que não há previsão para a pena de Fabiano, mas adianta que a delação pode resultar na prisão de outros envolvidos no escândalo. “Pode até haver pedido de prisão a partir da denúncia do meu cliente e isso é muito bom para a defesa”, contou ao Jornal Midiamax.

Relembre o caso

Robson Leiria Martins foi preso no dia 17 de abril ao ser flagrado no estacionamento de um supermercado extorquindo R$ 15 mil do então ex-vereador Alceu Bueno (sem partido, ex-PSL). O dinheiro seria para impedir a divulgação de vídeos nos quais Alceu aparecia praticando sexo com adolescentes.

O material seria parte de um esquema de exploração sexual das jovens, que registravam os encontros com figuras públicas em câmeras escondidas, para extorqui-los depois.

Após a revelação do caso, que chegou ao conhecimento da polícia, Alceu Bueno renunciou ao cargo de vereador. Além dele, o ex-deputado estadual Sérgio Assis (sem partido, ex-PSB) também foi indicado por favorecimento à exploração sexual no caso.

Jornal Midiamax